Siga o DCO nas redes sociais

Reação à vista
Equatorianos garantem que haverá greve geral em breve
Líderes das principais organizações indígenas conclamam os povos da Amazônia à luta
protesto
Reação à vista
Equatorianos garantem que haverá greve geral em breve
Líderes das principais organizações indígenas conclamam os povos da Amazônia à luta
Foto: reprodução
protesto
Foto: reprodução
Da redação

Leonidas Iza, presidente do Movimento Indígena de Cotopaxi (Equador), anunciou que as medidas econômicas adotadas pelo governo equatoriano provocarão um “estallido social”, ou em bom português uma ruptura social. A declaração foi dada em entrevista a Univision, uma emissora de televisão americana que transmite sua programação em língua espanhola.

O alerta chega no momento em que a crise do coronavírus atinge níveis alarmantes no Equador, um dos países mais afetados da América Latina. Caixões se acumulam pelas ruas e novos cemitérios são construídos para atender a demanda. A situação no Equador se agravou desde que Lennín Moreno, eleito pela esquerda com apoio de Rafael Correa, que presidiu o país no período anterior, com o compromisso de dá continuidade ao programa conhecido como “revolução cidadã”, deu um golpe, passou a perseguir e prender seus antigos aliados do partido Alianza, inclusive seu próprio vice, Jorge Glas. O próprio ex-presidente Rafael Correa foi condenado e só não foi preso por encontrar-se no exterior e ter solicitado asilo político na Bélgica.

Leia Também  Movimento “coletes laranja” pedem a saída do governo na Itália

Leia mais: Equador: o povo se levanta contra o golpe

Moreno então, passou a adotar políticas neoliberais que levaram o país a uma convulsão social que explodiu em protestos violentos em 2019. Mesmo com o agravamento da crise social pela pandemia de covid-19, o governo Moreno segue aprofundando sua política de choque e destruição de todos os direitos e programas sociais.

Leonidas Iza informou que a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) já se pronunciou contar as leis de apoio humanitário e ordenamento das finanças aprovadas pela Assembleia Nacional, e aponta para a necessidade de uma greve geral. Esta também é a visão de outro líder indígena, Salvador Quishpe, que informou que diante das decisões governamentais, um “novo outubro” pode ter vez no Equador, referindo-se aos violentos protestos de outubro de 2019.

As lideranças indígenas do Equador entendem que não é possível enfrentar a pandemia de covid-19 em quarentena, pois a fome se agrava diante do abandono governamental. Mais que abandono, o governo neoliberal se aproveita da crise e avanças seus ataques às conquistas sociais dos equatorianos.

Leia Também  Ao menos 47 líderes sociais assassinados até março na Colômbia

As entidades Conaie e Confenaie alertam para a necessidade de mobilizar os povos da Amazônia, protestar pela falta de presença do Estado, para que as próprias comunidades organizem-se para combater a crise, inclusive fazendo uso de sua medicina e de seus medicamentos ancestrais.

Os indígenas equatorianos estão dando um importante exemplo para todo o continente, de que só uma reação da população poderá aplacar os efeitos destrutivos da aliança coronavírus neoliberalismo, as duas chagas que solapam o continente latino-americano.