HAMBURGUER_1
SHARE
Anterior
Próximo

Fora Lenín Moreno!

Equador fecha 2020 com protestos, problemas econômicos e Covid-19

O ano novo chegará a um Equador economicamente debilitado, atormentado por compromissos com entidades financeiras e em crise política

Tempo de Leitura: 3 Minutos

Protesto no Equador – Foto: Reuters

Publicidade

Para o Equador, 2020 foi um ano complexo, no qual protestos sociais, denúncias de judicialização da política, problemas econômicos e Covid-19 marcaram a vida de 17 milhões de cidadãos.

A partir do primeiro mês do ano, o panorama político nacional foi marcado por reclamações de perseguições políticas e pedidos de diversos setores da população ao Executivo, para a aplicação de políticas públicas em benefício dos cidadãos e principalmente das pessoas de menor renda.

Processos judiciais contra lideranças do movimento Revolução Cidadã, liderado pelo ex-presidente Rafael Correa, ameaças de prisão a deputados e reiteradas tentativas de impedir a participação dessa força progressista nas eleições do ano seguinte caracterizaram as reivindicações por perseguição política ou a chamada disputa judicial nos últimos 12 meses.

Entre os processos mais questionados e denunciados para a judicialização da política estavam as causas conhecidas como Suborno e Rebelião, que envolveram ex-dirigentes da Década Ganha, como é conhecida após os 10 anos da gestão presidencial de Correa, anteriores à atual gestão de Lenin Moreno.

Por ser um ano pré-eleitoral, para muitos dentro e fora do país, os dois casos buscaram desacreditar dirigentes da Revolução Cidadã e impedir a participação do ex-presidente nas eleições acertadas em 7 de fevereiro de 2021.

Desde o início de janeiro, Correa e outros 20 ex-funcionários de seu governo e empresários foram chamados a julgamento por suposta utilização de recursos de empreiteiras para financiar atividades de proselitismo do Movimento Alianza PAIS, de 2012 a 2016, enquanto liderava o país, crime que negaram .

No entanto, foram condenados à prisão em setembro passado, em meio a irregularidades e com elementos não comprovados, o que levou muitos a falar de um complô de perseguição política.

Por outro lado, o caso Rebelión, ainda em vigor, visa condenar à prisão a prefeita de Pichincha, Paola Pabón, e os líderes da Revolução Cidadã Virgilio Hernández e Christian González, acusados ​​de tentativa de rebelião contra o governo durante os protestos de 11 dias desenvolvidos em outubro de 2019 contra a administração nacional.

Esses processos, somados às inúmeras manifestações populares realizadas ao longo do ano contra os cortes orçamentários, as demissões em massa e os acordos assinados com o Fundo Monetário Internacional, mostraram ampla insatisfação com as decisões tomadas pelas autoridades.

Professores, estudantes universitários, trabalhadores, funcionários públicos e mulheres, entre outros setores, exigiram transparência nas ruas por parte das entidades judiciárias, atenção aos pedidos dos mais carentes e medidas favoráveis ​​à maioria.

A propagação da pandemia de Covid-19, desde o início de março, agravou a situação nacional e obrigou à declaração de um estado de exceção juntamente com restrições como a cessação do trabalho presencial e o isolamento. Guayaquil, a segunda cidade mais populosa, depois da capital, foi o epicentro da doença nos primeiros quatro meses, quando foram quantificadas mais de 10 mil mortes relacionadas à doença, que não constam nos números oficiais do Ministério da Saúde Pública.

Desde julho do ano passado e até hoje, Quito é a cidade com maior incidência da doença, derivada fundamentalmente da indisciplina cidadã e da violação do protocolo estabelecido pelo Comitê Nacional de Operações de Emergência.

Apesar de o número de infectados estar a dar muito pouco, o país continua numa fase de transição para o chamado novo normal, com vista a promover a reativação econômica.

Enquanto as infecções causadas pela doença aumentavam, foi descoberta uma rede de corrupção na aquisição de suprimentos médicos, equipamentos e outros bens necessários para o enfrentamento da doença, o que levou à renúncia de alguns funcionários e demissão de outros, ao mesmo tempo que os processos investigativos sejam abertos para localizar os responsáveis ​​e estabelecer as penalidades cabíveis.

De 29 de fevereiro, quando foi publicado o primeiro caso, até meados de dezembro, as estimativas do Ministério da Saúde Pública eram de 202.110 confirmados com teste de PCR, enquanto os óbitos no âmbito da Covid-19 atingiam o 13.875, 9.337 deles verificados.

O avanço da doença, as medidas de restrição à mobilidade e o isolamento imposto para detê-la causaram uma maior contração econômica e danos aos bolsos das famílias equatorianas, agravados por medidas ordenadas pelo Executivo consideradas impopulares.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística e Censos, até setembro passado o desemprego era de 6,6% da população economicamente ativa, enquanto a taxa de pobreza multidimensional, em dezembro, era de 38,1%.

Julgamentos políticos, renúncias ministeriais, acusações contra altos funcionários e reclamações contra o presidente da república, Lenín Moreno, também foram recorrentes neste ano.

Em meio a toda essa situação, o Conselho Nacional Eleitoral convocou eleições gerais e deu início a um calendário marcado por problemas e atrasos, que provocaram severas críticas à atuação daquele colegiado.

O registro de candidaturas caracterizou-se por inúmeras tentativas de impedir a Revolução Cidadã de participar nas eleições de 2021, no entanto, cada obstáculo interposto acabou sendo frustrado pelas respostas jurídicas da força política e pelas manifestações de apoio de diferentes setores da sociedade.

O ano novo chegará a um Equador economicamente debilitado, atormentado por compromissos com entidades financeiras e em crise política.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Mais Lidas
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTT

"Fora Bolsonaro": debate entre Rui Costa Pimenta e Breno Altman - Universidade Marxista nº 408

81 Visualizações 55 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend