Eleição 2020
Entrevista à candidata do PCO à vereadora de Curitiba. Priscila conta sobre a intervenção dos militantes nas eleições e os ataques da imprensa burguesa aos candidatos do Partido
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cf271f293655a7a14c2ba0dcc571fe4d-gpLarge
Priscila em entrevista à imprensa burguesa em 2018 | Albari Rosa

Priscila Cristina Ebara (44) nasceu em Santa Mariana, interior do norte do Paraná. Residente em Curitiba, cursou Direito, Licenciatura em Artes, trabalhou e se especializou em educação especial, com turmas do ensino médio. Já trabalhou em em recepções, em vídeo locadora, call center, vendedora, e atualmente trabalha com costura e artesanato.

 

Ingressou no Partido da Causa Operária após as perseguições políticas ao ex-presidente Lula em 2017. Ao assistir a Análise Política da Semana da Causa Operária TV, apresentada por Rui Costa Pimenta, se aprofundou na análise política marxista e por ela, teve contato à Universidade de Férias do Partido no início de 2018, o qual lhe chamou muita atenção, como mãe, pelo espaço de convivência socialista entre militantes, pais e crianças.

 

Se incorporou ao quadro militante partidário em 2018. Foi coordenadora do estado do Paraná, foi candidata ao governo do Paraná, e é membra do coletivo de mulheres Rosa Luxemburgo. Nesse período em diante se dedicou na organização de atos e caravanas pela candidatura de Lula às eleições de 2018 – “Eleição Sem Lula é Fraude, Eleição Sem Lula é Golpe”. Também da intensa luta contra a prisão e pela liberdade do ex-presidente, marcando presença permanentemente nas atividades e manifestações em frente à Polícia Federal de Curitiba, a masmorra ao qual Lula esteve preso por 580 dias. Atualmente, além de militante, luta pelo Fora Bolsonaro como candidata à vereadora em Curitiba, para tornar esta eleição uma tribuna pelo fora Bolsonaro.

 

1. Pode falar um pouco sobre sua experiência nas eleições, já que foi candidata em 2018 e está sendo agora novamente. Percebeu um crescimento do PCO nesse meio-tempo?

 

Sim. O PCO se destacou nas eleições por denunciar a imprensa burguesa, na própria imprensa burguesa, em entrevistas e debates, levantando as contradições dos veículos e das próprias eleições. Denúncias às quais os outros partidos não fazem e que chama muitos à se integrarem à militância do PCO pela admiração e elogio às colocações na imprensa em geral e nas atividades de rua.

Entre as eleições de 2018 e 2020, os ataques são os mesmos, dos fascistas, dos reacionários, da imprensa burguesa, para desqualificar os candidatos do PCO pelo que falamos no sentido de derrubar o golpe. Sempre respondemos à altura aos ataques fascistas e o Partido se mantém sempre firme e com a mesma política de denúncia. O PCO já está mais conhecido. Nas de 2018 o Partido ainda era novidade em Curitiba, mas nessas eleições está mais em destaque, as pessoas em geral conhecem os candidatos do partido, compram o jornal do partido sempre perguntando e elogiando nossa intervenções.

 

2. Sobre o tratamento da imprensa com relação às candidaturas do PCO. Em 2018, a candidata virou meme após uma entrevista na Band, e imprensa sempre tenta ridicularizar os candidatos do PCO, pode comentar?

 

Isso aconteceu, dei uma entrevista e virei meme. Isso foi bem explorado pela imprensa burguesa, fazendo programas e me ridicularizando. Esse tipo de atitude é esperado, pelas denúncias que fazemos. Quando tiram o foco do que estamos dizendo e partem para ridicularização como: “olha o que ela está dizendo”, “parece uma menina maluquinha”, etc. É para tirar o foco das denúncias ao serviço porco que eles fazem. Eles ficam acuados e começam aos ataques pessoas, criticando o jeito da pessoa, a cor do cabelo, o corpo da pessoa para que os espectadores comecem uma campanha de ridicularização dos candidatos. A direita não tem defesa diante dos candidatos do PCO. A direita, movimentando a imprensa burguesa, começam esses ataques, que não nos afeta, por estarmos preparados em não dar importância a isso, mas em transmitir a política do partido.

 

3. Essa entrevista na Band, mostrou que, ao contrário dos partidos tradicionais, o PCO tem candidaturas do povo, pessoas trabalhadoras, comuns. Isso mostra que é um partido operário, não?

 

Sim, com certeza. Se fosse uma filha de político a ser candidata, teria muitas pessoas me maquiando, me dando instruções para um discurso demagógico, assessorando sobre o tempo de falas e como me posicionar. Eu acho que o meu meme, e os outros candidatos do partido, só corroboram ao que o PCO sempre falou, de que o nosso partido é um partido de pessoas comuns, da classe trabalhadora, com uma renda pequena, que trabalhou em muitas áreas e que quando se candidatam, se candidatam pelo partido, não para fingir ser alguém que não é, fingindo com um discurso qualquer, demagógico, mas como pessoas comuns, transmitindo e divulgando a política revolucionária, que é a política do PCO.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas