Enfrentando o fascismo
Após o ataque racista sofrido por um entregador de aplicativo, motoboys vão até a casa do fascista para protestar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
protesto entregadores
Entregadores de aplicativo em frente o condomínio em Valinhos SP | Foto: FolhaPress / Luciano Claudino

No dia 31 de julho, um entregador de aplicativo Matheus Pires Barbosa, que estava trabalhando, foi até o condomínio Madre Maria Villac em Valinhos no interior de São Paulo fazer uma entrega como de costume. Ao chegar Matheus foi atacado por Mateus Abreu Almeida Prado, que é branco, onde desferiu contra o trabalhador negro ofensas de tipo racistas. O homem branco chamou o entregador de lixo, dizendo que ele tinha inveja do local onde estava fazendo a entrega, inveja das famílias que moram no condomínio e inveja da sua cor.

Uma testemunha registrou a cena, que viralizou nas redes sociais na última sexta-feira (7) causando grande comoção de milhares de pessoas. Segundo o registro da Policia Civil a confusão começou quando o cliente se negou a buscar o pedido na entrada do condomínio o motoboy afirma que é costumeiro os clientes irem buscar a entrega e não eles levarem até a casa do cliente. Chegando na casa do morador começaram os ataques. “Seu lixo. Você tem inveja disso aqui” apontando para a sua própria cor da pele. “Quanto deve ganhar por mês, hein? Dois mil reais? Não deve ter nem onde morar”, dispara o homem branco, “olha seu tênis ta furado” “você trabalha de motoboy” insistia o fascista.

No entanto, além da vítima chamar a policia e os envolvidos no caso forem para a delegacia para dar explicações. Segundo Matheus Pires, as agressões continuaram na frente inclusive dos militares e que nada contra o criminoso aconteceu, os dois saíram pela mesma porta da instituição, denuncia a vítima. Após o acontecido os familiares do fascista que humilhou o entregador, correram com um laudo médico de que Mateus de Almeida Prado tem problemas mentais, como esquizofrenia por exemplo. Isso mostra que quando se trata de um rico branco a justiça não funciona, ou faz vistas grossa. Para combater a direita fascista a luta deve ser de igual para igual, a resposta tem que ser a altura.

Mostrando a politica correta para enfrentar o fascismo, a classe média e a burguesia parasitária, os entregadores se solidarizaram com o companheiro de trabalho agredido, e no dia seguinte se reuniram em um posto de gasolina e seguiram em marcha com as suas motocicletas para a frente da casa do agressor, no condomínio que fica no bairro Chácaras Silvania e fizeram uma manifestação com dezenas de motos e mais de uma centena de manifestantes e denunciaram o crime ocorrido. E não se sabe o que poderia acontecer caso o fascista, Mateus Prado aparecesse no local do ato.

É importante deixa claro que para acabar com o fascismo e o racismo é preciso união da esquerda, mobilização popular como fizeram os motoboys. Por fim, a luta contra o racismo não deve ser feita pelos policiais militares do regime golpista, mas, sim, pelo povo negro organizado, através da sua própria luta, e com reivindicações concretas, com uma imprensa, e com suas organizações políticas de luta, e não através dos mesmos meios que levaram adiante o golpe de Estado contra a classe trabalhadora e o população negra no Brasil, juntos com o Poder Judiciário e demais agentes da repressão, como o Ministério Público, a PM, etc.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas