Monopólio
Reportagem da imprensa burguesa admite que a Embraer pode salvar a Boeing de sua decadência, escancarando parasitismo dos grandes monopólios
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
17/07/2014 – A Embraer venderá 60 jatos comerciais do modelo E190 para duas companhias chinesas. Foto: Antônio Milena/ Agência Brasil
Foto: Antônio Milena/ Agência Brasil |

A Boeing está em crise. Depois da queda recente de dois aviões MAX 737, a empresa perdeu valor de mercado, caindo de US$ 248,9 bilhões em março de 2019 para US$ 187 bilhões. O volume de entregas também despencou. Em 2018, a Boeing entregou 806 aviões, já em 2019 foram apenas 380, número mais baixo em mais de uma década. Enquanto isso, a principal concorrente da empresa norte-americana, a franco-alemã Airbus, teve crescimento de 8% nos pedidos, entregando 863 aviões em 2019.

No entanto, como explica uma matéria publicada no sítio neofeed, sob o título “A Embraer, quem diria, pode ajudar a resgatar a Boeing”, a entrega da Embraer para o imperialismo pode ajudar os capitalistas estrangeiros a salvarem sua indústria decadente. Com a Embraer, a Boeing entra no mercado de aviões menores, com jatos de até 150 lugares. Segundo um consultor ouvido pelo neofeed, Francisco Lyra, da C-Fly Aviation, a “Embraer pode ser uma tábua de salvação para a Boeing recuperar fatores que perdeu ao longo do tempo, como a capacidade de engenharia e o viés de inovação”.

A reportagem ainda explica que a Boeing contava com a complacência da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA), enquanto a Embraer sofria com uma exigência rígida desse mesmo órgão. “A Embraer sempre encontrou um olhar duro nesses processos. E provou que consegue entregar produtos seguros e eficientes nos prazos prometidos”, diz Lyra. “E isso é um grande trunfo, já que agora, com o caso do 737 MAX, todas as certificações ficarão mais rígidas.”

 

Parasitismo

Esse caso ilustra exemplarmente o parasitismo dos grandes monopólios capitalistas. Por meio da corrupção dos políticos dos países atrasados, da sabotagem econômica e de golpes de Estado, os grandes capitalistas internacionais conseguem manter o controle sobre setores inteiros da economia mundial. Um controle exercido com mãos de ferro, que não permite o desenvolvimento da indústria nacional de países atrasados, muito menos a livre concorrência dessa indústria no mercado internacional.

No caso do Brasil, essa realidade foi mostrada de forma contundente pelo golpe de Estado que derrubou Dilma Rousseff em 2016. A própria operação Lava Jato, instrumento decisivo do golpe, atingia em cheio setores da indústria nacional, visando a construção civil e o setor de petróleo. O sentido político, porém, era mais amplo, de submissão de toda a economia do País. A entrega da Embraer mostra como esse processo consiste em um roubo do Brasil em larga escala, assim como dos outros países atrasados em todo o mundo, para salvar o sistema decadente dos grandes monopólios.

Para reverter essa política, que visa a destruição completa da indústria no Brasil, tornando o país uma colônia de exportação de matéria prima, é preciso derrotar o golpe e derrubar o governo Bolsonaro. Não há tempo para meias medidas, e a palavra de ordem mais popular das ruas precisa ser abraçada pelas direções de esquerda, dando uma direção definida que leve a uma saída à esquerda para a crise nacional. É hora de levantar o Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas