Programa dos golpistas
A privatização da estatal significará para o Brasil abrir mão de qualquer possibilidade de ter uma indústria própria e autônoma num dos principais setores da Economia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ibiraci (MG) - O ministro Moreira Franco participa da inauguração da linha de transmissão de energia que liga a Hidrelétrica de Belo Monte ao Sudeste do País. A construção do linhão é parte do Agora, é Avançar Parcerias (Beth Santos/Secretaria-Geral da PR)
Beth Santos Secretaria Geral da PR. |

Nesta terça (6) o presidente ilegítimo Bolsonaro assinou decreto de privatização da Eletrobrás. Anunciado ainda durante o governo golpista de Temer, o decreto pretende privatizar a estatal por meio do aumento de capital e venda do controle acionário da empresa.

A Eletrobrás hoje lidera a geração e transmissão de energia elétrica no país e contribui para que a matriz energética brasileira seja uma das mais limpas e renováveis do mundo. Também atua nos segmentos de comercialização e eficiência energética, além de programas como o Procel, o Programa Luz para Todos e o Proinfa. É a maior companhia do setor elétrico da América Latina, é uma empresa de capital aberta tendo como acionista majoritário o governo brasileiro.

Não há como um país ser soberano sem o domínio da ciência, da tecnologia, dos processos produtivos e tendo uma engenharia forte. No caso do setor elétrico, historicamente havia a dependência brasileira do petróleo importado, que se agravou com os choques do petróleo dos anos 70. O enorme potencial hidrelétrico brasileiro foi a alternativa de fonte primária para o setor elétrico. Isso trouxe oportunidades para a consolidação de grandes empresas de construção civil, equipamentos de mecânica pesada, que favoreceram a produção local em detrimento da importação.

Camargo Correia, Odebrecht, Engevix, Villares, Bardella e WEG (uma das maiores fabricantes de motores e equipamentos eletromecânicos do mundo), devem muito de seu desenvolvimento às parcerias com a Eletrobrás. Seja pelo CEPEL (Centro de Pesquisa do Setor Elétrico) – maior centro de pesquisa do tipo na América Latina – seja por meio da demanda advinda das grandes obras, a formação de uma indústria brasileira competitiva não só no País, mas internacionalmente, teve contribuição decisiva da Eletrobrás.

Apesar da estatal ter sobrevivido aos ataques brutais do governo FHC (PSDB), a empresa nunca conseguiu recuperar seu papel de liderança no desenvolvimento da indústria nacional, sobretudo pela falta de investimento do governo e pela paralisia decorrente do processo de privatização. O governo golpista de Bolsonaro pretende continuar e aprofundar os ataques da década de 90 e passar definitivamente o controle da empresa para os capitalistas, entregando seus lucros e tirar do próprio Estado o controle energético do País.

A privatização da Eletrobras portanto, não é processo isolado, põe em risco o setor elétrico brasileiro e a economia popular e faz parte do programa dos golpistas de destruição da engenharia nacional, atrelado a destruição da Petrobrás, da entrega do pré-sal e de toda a cadeia nacional de óleo e gás, além da destruição da indústria naval. Significará para o Brasil abrir mão de qualquer possibilidade de ter uma indústria própria e autônoma num setor estratégico para qualquer País. Significará o aumento da submissão ao imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas