Imperialismo na Amazônia
Ao mesmo tempo em que usa demagogia ecológica para atacar o País, os setores mais poderosos da burguesia imperialista patrocinam a devastação da floresta, segundo levantamento
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
amazonia
Floresta ameaçada | Foto: Reprodução

Em relatório divulgado no início da tarde desta terça-feira (27) a APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), a principal organização indígena do país, e a “Amazon Watch” listam onze empresas que consideram “cúmplices na destruição” da Amazônia e foco de conflitos com povos indígenas. São citadas quatro mineradoras, três empresas do agronegócio e quatro do setor elétrico. O documento também ressalta seis grandes instituições financeiras sediadas nos EUA que contribuíram com as empresas de 2017 a 2020.

Os casos destacados apresentam conflitos documentados nos quais as atividades (diretas ou indiretas) de uma empresa ameaçam as terras indígenas e/ou violam os direitos dos povos indígenas na Amazônia brasileira.

Os casos expostos aconteceram nos estados amazônicos do Pará, Maranhão, Mato Grosso, Roraima e Amazonas, com as mineradoras Vale, Anglo American, Belo Sun, Potássio do Brasil; as empresas do agronegócio Cargill, JBS, Cosan/Raízen; e as companhias de energia Energisa Mato Grosso, Bom Futuro Energia, Equatorial Energia Maranhão e Eletronorte, aponta o levantamento.

Para chegar à lista das onze empresas, o levantamento primeiro partiu dos processos judiciais registrados no TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região e de procedimentos em andamento no Ministério Público Federal. Foi criada uma base de dados com 797 casos judicializados. Os dados foram complementados com informações e documentos de operações realizadas pela Polícia Federal de 2018 a 2020 contra desmatamentos e invasões de terras indígenas, além de denúncias e entrevistas com lideranças do movimento indígena.

Além disso, o relatório destaca seis grandes instituições financeiras sediadas nos Estados Unidos BlackRock, Citigroup, J.P. Morgan Chase, Vanguard, Bank of America e Dimensional Fund Advisors – que contribuíram com mais de US$ 18 bilhões (R$ 100 bilhões) para as [onze] empresas acima entre 2017 e 2020.

Não a toa, essas empresas apoiam Bolsonaro que como contrapartida desmonta os órgão de fiscalização ambiental e proteção indígena.

O governo “alega” falta de recursos para manter em funcionamento os escritórios do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente. Até o ano de 2009, haviam 19 escritórios regionais do Instituto no estado. Somente neste ano, 17 foram fechados, restando apenas 2 escritórios, o de Parintins que atende o leste do Amazonas e o de Humaitá que atende o sul.

O fechamento dos postos do IBAMA está em direta relação com a política de favorecer a exploração predatória dos setores do agronegócio levada adiante por Bolsonaro.

Essa política também favorece a ingerência imperialista na região, como foi visto nos últimos dias com a ameaça de intervenção estrangeira na Amazônia.

A única saída é a mobilização popular pela derrubada do governo golpista e devastador de Jair Bolsonaro. Fora Bolsonaro e todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas