Aborto não é urgência
Governadores do Texas e Ohio, a  ordenaram a suspensão de abortos nas clinicas e hospitais pela necessidade de leitos e equipamentos médicos durante a Pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aborto
Planned Parenthood, Organização e assistência á saúde. Foto : divulgação |

A falta de leitos hospitalares nos Estados Unidos para receber os doentes do Coronavírus levou os estados do Texas e Ohio a  ordenarem a suspensão de todos os abortos nas clinicas e hospitais por se tratarem de “procedimentos não urgentes”, segundo os governantes. O governador republicano do Texas, Greg Abbott, alegou também que um dos motivos também seria a necessária disponibilização dos equipamentos de segurança para os profissionais de saúde que atuam nos hospitais.

A ordem foi seguida de lei que prevê penas de até 180 dias de prisão e multa de US$ 1.000 para quem descumpri-la. O procurador- geral Ken Pxton enviou mensagens a três clínicas de aborto ordenando que aplicassem a medida com a única exceção daqueles casos em que a mulher corre perigo de morrer.

As entidades que defendem o direito das mulheres ao aborto denunciaram a ordem como uma manobra “ ideológica” pois o aborto é um procedimento imediato que não pode esperar.

“Não surpreende ver este procurador-geral usar qualquer desculpa para avançar sua agenda ideológica”, disse Kathy Miller, presidente da associação local de defesa do aborto Texas Freedom Network.

Afirmam ainda que adiar intervenções significa negar o direito constitucional da mulher em tomar decisões, uma vez que a janela de tempo indeterminada pela ordem de suspensão levará as mulheres a tomarem decisões sem a segurança necessária para a execução do aborto.

As clínicas que são gerenciadas pela Planned Parenthood, organização sem fins lucrativos que fornece assistência à saúde reprodutiva nos Estados Unidos e no mundo, manifestaram-se em comunicado que seguirão as ordens, no entanto afirmam que “os abortos são procedimentos médicos essenciais e urgentes”.

A crise e a ausência de uma política governamental para a saúde estão servindo cinicamente para a direita avançar sobre o direito das mulheres.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas