Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5279525928_d6d94469e4_o
|

As informações confusas a respeito do dia 8 de Março são exemplo de como a burguesia se esforça para apagar da História as marcas da luta operária. Para isso, procura mudar o significado desta data e traçar outras raízes a ela. Ao ler artigos da imprensa capitalista, você irá se deparar com uma narrativa que remete às mais diversas origens para a data. O resultado final deixa o leitor desnorteado, sem conclusões relevantes. Como exemplo dessa desinformação, escolhemos analisar um artigo da BBC, acessível neste link.

O artigo conecta as origens da comemoração a movimentos de mulheres dos EUA e de “alguns países da Europa”. Lembra que a data é frequentemente associada a um incêndio de uma fábrica nova-iorquina, ocorrido em 25 de março de 1911. Menciona outra importante marcha de mulheres operárias, ocorrida também em Nova Iorque, em 1909, no dia 26 de fevereiro, e a Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, que fixou o dia 19 de março para comemorar as lutas operárias das mulheres. Após esta salada de opções, o artigo menciona os protestos das trabalhadoras russas de 1917, como se fosse mais um acontecimento entre tantos outros.

Esta mistura de datas e eventos aleatórios é típica da propaganda burguesa, que procura esvaziar qualquer sentido revolucionário dos acontecimentos históricos. As lutas das mulheres operárias começaram, obviamente, com o início do capitalismo, muito antes do Século XX. Em 8 de Março de 1857, por exemplo, trabalhadoras nova-iorquinas deflagraram uma importante greve, que chamou atenção para pautas femininas, dando origem ao primeiro sindicato de trabalhadoras.

Algumas marchas e datas comemorativas foram sendo estabelecidas localmente, até que o II Congresso Internacional das Mulheres Socialistas, em 1910, fixou como 19 de Março (homenagem à Revolução de 1848) como “Dia Internacional da Mulher Trabalhadora”. A data passou a servir de referência para as trabalhadoras socialistas organizarem suas lutas. Entretanto, a partir da Revolução Russa de 1917, a data passou a ser celebrada por movimentos operários, no mundo inteiro, no dia 8 de Março.

A Revolução Russa não foi o maior acontecimento da história da luta socialista. E foi graças às manifestações da Revolução de Fevereiro que o movimento operário russo derrubou a monarquia –  um fato inédito no mundo. Este movimento foi marcado pelo protagonismo das trabalhadoras, com importantes greves deflagradas no dia 8 de março (23 de fevereiro – no antigo calendário russo), que foi, de fato, o início da Revolução. A partir do ano seguinte, o governo bolchevique oficializou esta data como o Dia da Mulher Heroica Trabalhadora, e movimentos operários de outros países passaram a adotar a data para comemorar o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora.

Sem conseguir impedir a adoção de uma data comemorativa, as Nações Unidas foram obrigadas a oficializar a data, em 1975, rebatizada para Dia Internacional da Mulher (retirou-se a palavra Trabalhadora, obviamente para apagar o sentido classista da data). Desde então, a burguesia tenta mudar o significado desse dia, que sempre celebrou a luta das operárias contra o capitalismo, para um dia de receber flores ou, no máximo, que trate da igualdade de gênero (sem mostrar que a desigualdade de gênero só irá se agravar enquanto o capitalismo permanecer vigente).

Os próprios movimentos pequeno-burgueses acabam seguindo esta tendência, como é de sua natureza. Para estes, foi preferível deixar em segundo plano o nome original da data comemorativa e substituí-lo por uma abreviação “moderninha” – 8M -, uma inovação que não significa nada para a trabalhadora do chão de fábrica.

Na organização das manifestações comandadas pela esquerda pequeno-burguesa, é comum manter-se a tônica de proibir a participação de partidos políticos, mostrando uma falta de compreensão quanto à importância da formação de frentes revolucionárias amplas, num direcionamento que só pode agradar mesmo aos partidos de direita (que não saem às ruas) ou às direções pequeno-burguesas de pequenos movimentos sociais (que não querem perder o “protagonismo”).

De qualquer maneira, o 8 de Março continua sendo uma importante data de luta. Trata-se do Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, marco que precisa ser lembrado e fortalecido por todo movimento que se considere revolucionário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas