Inflação e impostos
São mecanismos que servem para o estado transferir a renda de uma classe para outra classe. Não se iludam, o estado burguês retira renda dos trabalhadores e a transferem para eles
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48909157993_e41e6066fb_c (1)
Feira livre | Foto: CientistaZen

Matéria do jornal Brasil 247 informa que a inflação vem castigando três vezes mais a classe de renda mais pobre que a de renda mais alta. A classe mais pobre é composta por famílias que recebem até R$ 1.650,50 mensais, enquanto que a mais rica é composta por famílias que ganham acima de R$ 16.509,66 mensais.

O período analisado é de janeiro a outubro de 2020, e chegaram ao índice de 3,68% para a classe de renda mais baixa, enquanto que para a classe de renda mais alta foi de 1,07%. Levando em conta apenas os preços dos alimentos consumidos na residência, aqueles que são comprados no supermercado, a inflação foi de 12,69%.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) chegou a esses dados com base nos índices IPCA e IPCA-15 (índice de preços ao consumidor amplo e amplo-15), publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na sexta-feira 23.

Nos últimos doze meses encerrados em outubro a inflação para a classe mais pobre foi de 5,48%, e para a classe mais rica foi de 2,5%. A meta estabelecida pelo Banco Central era de 4,0%. Para os mais pobres foi superada, enquanto para os mais ricos não.

Os preços dos alimentos estão subindo e a tendência é que continuem subindo. O arroz subiu 51,72%, o feijão carioca 21,15%, a farinha de trigo 13,76%, o óleo de soja 65,08%, as frutas 18,49% e a carne 11,04%.

A técnica responsável pelo estudo da inflação por faixa de renda do IPEA, Maria Andréia Parente Lameira, diz que os alimentos nas residências de baixa renda representam 30% dos gastos, enquanto que nas residências de alta renda não chegam a 10%. E são os alimentos básicos de difícil substituição os mais afetados. O impacto do aumento de preços é menor na classe mais rica.

Concluímos que a vida não está nada fácil para o trabalhador, onde a grande maioria pertence à classe de menor renda. Tem que arcar com enormes cargas de impostos, que privilegia a arrecadação sobre o consumo, e este pesa mais para os mais pobres que para os ricos. A tributação sobre a renda deveria ser a maior parte da arrecadação do estado com a tributação das maiores rendas, mas não é assim. A inflação com maior peso para os alimentos faz a mesma coisa.

As coisas pioraram com as crises econômica e da pandemia, que como sabemos, os salários foram diminuídos, muitos perderam o emprego resultando em mais prejuízo aos trabalhadores.

O estado precisa arrecadar impostos para poder oferecer assistência social, previdenciária, serviços de saúde, escolas, serviços de água, luz, gás, saneamento básico, coleta de lixo e etc.

Mas os impostos podem ser sobre a renda, sobre o consumo, sobre o patrimônio e sobre o que é produzido de mercadorias e serviços. Os legisladores determinam quais e como será distribuída a carga tributária para a população. Sendo o estado burguês, a classe com menor tributação será a própria burguesia, evidentemente.

O Brasil arrecada o equivalente a um terço do PIB anualmente. Metade dele é sobre o consumo, pesando mais para quem ganha menos, quando deveria ser sobre a renda e o patrimônio a maior parte. 

Segundo Charles Alcântara, presidente do Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital) quase 30 mil brasileiros ganham acima de 320 salários mínimos por mês e pagam o equivalente a 6% de imposto, no máximo, enquanto quem ganha 10 mil reais paga entre 18% e 20% de imposto. Lembrando que a média de salário da população está abaixo desse valor de R$ 10 mil.

E ainda o governo do Fernando Henrique em 1996 decreta isenção de impostos sobre lucros e dividendos de pessoas físicas na declaração de renda, abrindo mão de cobrar impostos dos mais ricos. Também a faixa de isenção de impostos na tabela do imposto de renda não é atualizada desde 2015, mais uma vez onerando a classe mais pobre.

Com os salários diminuindo e a inflação aumentando, a carga tributária pesando mais no bolso dos mais pobres, tudo isso faz com que seja transferida a renda dos mais pobres para os mais ricos. Ao pagar pelos produtos que compramos estamos transferindo nossa renda para as empresas, ao pagar impostos estamos transferindo nossa renda para o estado, que repassa para as empresas que prestam serviços a ele e principalmente aos bancos que consomem metade da arrecadação do governo com o pagamento da dívida e dos juros.

É preciso dar um basta nesse círculo vicioso, que aumenta a miséria e a fome para os trabalhadores aumentando a renda dos mais ricos. É hora dos trabalhadores se organizarem em conselhos populares e reivindicarem seus direitos e por abaixo esse sistema dos golpistas de produção de fome e miséria para a classe que efetivamente produz a riqueza do país.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas