Crise econômica
O BNDS anunciou uma série de medidas absolutamente insuficientes para impedir a quebra dos pequenos comerciantes e a demissão massiva de trabalhadores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
This file photo taken on July 04, 2011 shows 
The main entrance to the state-owned Brazilian Development Bank (BNDES) in Rio de Janeiro, Brazil, on July 4, 2011. 
The Brazilian police on May 12, 2017 launched an operation to investigate alleged frauds in loans granted by the BNDES to giant meat processing plant JBS that caused a loss of 1,200m reals (380m US dollars) to public funds.  / AFP PHOTO / VANDERLEI ALMEIDA
Créditos da Imagem: VANDERLEI ALMEIDA/AFP |

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDS) anunciou uma série de medidas para injetar dinheiro na economia.

Segundo nota divulgada pelo banco, serão liberados R$ 55 bilhões de reais para reforçar o caixa das empresas. O banco determinou a transferência de recursos do Fundo PIS-PASEP para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) no valor de R$ 20 bilhões, a fim de possibilidade o saque extraordinário pelos trabalhadores.

Parcelas de pagamentos de financiamentos diretos no valor de R$ 19 bilhões, e de R$ 11 bilhões para financiamentos indiretos, estão suspensas. Não haverá incidência de juros de mora durante este período.

O crédito para micro, pequenas e médias empresas foi ampliado de R$ 10 milhões para R$ 70 milhões, com o objetivo de aumentar o capital de giro das empresas. Os empréstimos terão carência de 24 meses e prazo de 5 anos para pagamento.

As medidas anunciadas são absolutamente insuficientes por parte do BNDS para os pequenos comerciantes e os trabalhadores. Não obstante, governo Jair Bolsonaro visa salvar as grandes empresas, os bancos e as instituições financeiras com o despejo de centenas de bilhões de reais do orçamento público do país.

O que se visualiza é uma falência massiva de pequenos comerciantes, impactados pela queda na atividade econômica desde o começo da epidemia de coronavírus. O governo Bolsonaro e o bloco político golpista observam a situação, preocupados com os grandes capitalistas e os bancos, que não podem ver diminuir suas margens de lucros.

Enquanto o país ameaça afundar em uma depressão econômica, o governo transfere dinheiro para os grandes capitalistas e busca sustentar sua astronômica margem de lucro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas