Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
menezes
|

Da redação – O ministro golpista do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, mandou soltar nesta quarta-feira (5) o ex-presidente do Banco Prosper e ex-presidente da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, Edson Figueiredo Menezes. Diferenciando da política de perseguição sem provas à Lula, o ministro alegou que há “fragilidade de fundamentação adotada pelos juízes de primeiro grau para a decretação de prisões preventivas, especialmente nos chamados crimes de colarinho branco”, pois para banqueiros a coisa é sempre bem diferente.

O serviçal dos grandes capitalistas no Brasil, foi preso no mês passado pela Polícia Federal na Operação Golias, mais um desdobramento da Lava Jato. Vale reiterar, antes de mais nada, que o PCO denuncia diariamente os interesses imperialistas nessas operações para destruir a economia nacional, porém, este caso revela muito como a burguesia trabalho pelos seus interesses e contra os trabalhadores, fazendo um paralelo ao caso de Lula.

Neste caso do banqueiro, a imprensa burguesa, serva fiel de sua classe, traz a notícia como uma investigação por “suposta propina” em licitações da administração da folha de pagamentos do estado. Mas essa é apenas uma primeira questão superficial a ser assinalada. A análise política, que deve ser feita com mais calma, demonstra, aparentemente, que os interesses das burguesias nacionais e estrangeiras – imperialistas – estão entrando em choque, pois a Lava Jato trabalhou muito para destruir o estado do Rio e agora Gilmar Mendes começa a contra-argumentar para libertar alguns “figurões”.

A defesa do banqueiro argumentou no recurso que os fatos são antigos e ocorreram entre 2008 e 2009. Gilmar Mendes considerou que a motivação do juiz para determinar a prisão não foi suficiente, chamando o caso de “frágil”, bem diferente do “palavreado juridiquês” utilizado para atacar Lula.

Agora, os “deuses de toga”, dizem que o juiz precisa demonstrar a necessidade, de forma concreta, da prisão preventiva, trazer provas concretas e etc. A mudança assusta os mais atentos que vem acompanhando as arbitrariedades seguidas contra o ex-presidente, se compararmos ao amigo banqueiro da Bolsa de Valores.

A justiça brasileira trabalha com dois pesos e duas medidas. Para os trabalhadores, destruição de leis trabalhistas, fim da aposentadoria, congelamento de gastos, prisão sem provas, corrupção generalizada, quadrilha e etc; já para os patrões, banqueiros, empresários, delatores, o as acusações são muito “frágeis”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas