Itália
Entre seus maiores filmes em que participou escrevendo as trilhas sonoras estão: “Batalha de Argel” de 1966 e ” Sacco e Vanzzeti” de 1971
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ennio-morricone (1)
Maestro Enio Morricone | Foto: Reprodução/Facebook

Faleceu nesta segunda-feira (6) Ennio Morricione, maestro famoso que escreveu várias músicas em diferentes estilos, compositor de trilhas sonoras de filmes famosos que marcaram a história do cinema e o fizeram ganhar prêmios no Oscar pelas músicas dos filmes “Três Homens em Conflito”, “Cinema Paradiso”, “Os Oito Odiados”, “Atame!” e “Os Oito Odiados”.

Entre seus maiores filmes em que participou escrevendo as trilhas sonoras estão: “Batalha de Argel” de 1966 e ” Sacco e Vanzzeti” de 1971, obras incluídas no realismo italiano e com teores políticos muito fortes e importantes. Como o segundo filme citado, que trata de uma época em que os Estados Unidos estava em uma onda anticomunista e os dois personagens principais são condenados a morte por um motivo extremamente preconceituoso e com o interesse político de eliminar pessoas de ideais de esquerda, como os dois protagonistas que eram italianos e anarquistas. Tanto que este filme foi proibido no Brasil durante a ditadura militar e só voltou a ser exibido em 1980, onde começou a ficar mais branda a censura.

Já o filme “Batalha de Argel”, feito em preto e branco para sublinhar a natureza dos cine jornais da época, sendo um dos clássicos de maior destaque do cinema político em que mostra os problemas do imperialismo europeu na Africa e que não foram resolvidos até hoje mostrados nas cenas das ações da Frente nacional de Liberação da Argélia (a FLN) nas ruas, no período das décadas de 1950 e 1960. Trata também do povo árabe na luta para se libertar da opressão e da expropriação das suas terras que foram colonizadas pelos franceses pelo período de 130 anos.

As trilhas sonoras do maestro eram perfeitas nos longas onde equilibrava com o roteiro, fazendo uma combinação perfeita entre a arte cinematográfica e a música. Ennio fez seu próprio obituário que dizia:  “Eu, Ennio Morricone, morri. Anuncio desta maneira a todos os amigos que sempre estiveram próximos de mim e também àqueles um pouco mais distantes, a quem saúdo com muito carinho. Impossível nomear todos eles. ‘Há apenas uma razão que me leva a cumprimentar todo mundo assim e a ter um funeral particular: não quero incomodar'”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas