É preciso cancelar o ENEM!
A prova será realizada por cerca de 5,5 milhões de estudantes nos dias 17 e 24 de janeiro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto-Joao-Pedro-Ribeiro
Típica cena vistas nas portas de entrada de instituições que sediam a prova. | João Pedro Ribeiro
Foto-Joao-Pedro-Ribeiro
Típica cena vistas nas portas de entrada de instituições que sediam a prova. | João Pedro Ribeiro

 Estão previstas para dia 17 e 24 de janeiro a aplicação das provas presenciais do ENEM, versões digitais serão realizadas no dia 31 de janeiro e 07 de Fevereiro. Estão previstos 5,6 milhões de estudantes para a realização presencial, sendo apenas 96 mil para a realização da versão digital.

O cenário permanece o mesmo já relatado pelo Diário Causa Operária desde o início da pandemia no Brasil: Ausência completa de programas de proteção da população frente à crise sanitária e uma tentativa constante do governo da direita de procurar diminuir o alarde e a revolta das pessoas, pintando um cenário falso de controle da situação ao propor a reabertura gradual de alguns serviços que foram suspensos assim como a reabertura do comércio, serviços de lazer e outros não essenciais com vistas a salvar a vida de alguns capitalistas. 

A prova prevista para daqui a 11 dias irá aglomerar estes milhões de estudantes justamente quando profissionais da saúde advertem que o final do mês de janeiro trará um grande aumento no número de surtos. O enfermeiro Helcio Marcelino, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (Sindsaúde-SP) disse haver uma “tempestade” a caminho devido a alguns fatores como falta de seringas para uma eventual vacina, as aglomerações provocadas pelas festas de final de ano e pela nova cepa de vírus que circula com maior capacidade de contaminação. 

Frente a uma situação obviamente impopular e perigosa à saúde do povo, a UNE e Ubes se posicionaram há alguns meses a favor do adiamento da prova do ENEM. A medida no entanto é inócua frente ao problema enfrentado pelos estudantes, a prova foi adiada mas mesmo assim o problema da pandemia não foi combatido e os estudantes mais pobres que farão a prova neste mês estão em enorme desvantagem levando em consideração a suspensão das aulas oficiais e a farsa que significou o ensino a distância (EAD), assim como a dificuldade em geral de acesso à educação devido à intensa crise econômica.

Frente a tamanha exclusão social que ocorre a partir do vestibular, os estudantes devem se mobilizar no sentido de demandar o cancelamento da prova e a aprovação automática dos alunos do 3° ano do ensino médio. Assim como a derrubada do governo golpista de Jair Bolsonaro e das figuras da direita convencional. A realização da prova significa um progresso na agenda do governo genocida da direita em voltar às atividades convencionais e na contenção das mobilizações contra o governo que vem assassinando o povo renegado a esperar a morte pelo Covid-19. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas