Censura no ENEM
Bolsonaro diz que “nada de anormal” ocorreu
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
educacao
Ministro da educação, Abraham Weintraub |

A primeira parte da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ocorreu no dia 03 de novembro (domingo) e veio incorporada com a política fascista de censura prometida por Bolsonaro em sua campanha eleitoral.

As tradicionais questões sobre a ditadura militar de 1964 simplesmente não apareceram na prova, assunto que é frequentemente abordado no exame há cerca de dez anos. Sobre o acontecimento, o ministro fascista da educação, Abraham Weintraub, declarou:

“Nossa orientação para o time que escolheu as questões foi para que a prova selecionasse as pessoas mais qualificadas. O objetivo do Enem não é doutrinar[…] Podemos falar em regime militar ao invés de ditadura, mas é uma discussão que não vai levar a nenhum lugar. Ao contrário das edições anteriores, onde vimos sujeira, doutrinação e problemas cabulosos com gráficas, este exame foi um sucesso. A cara do governo Bolsonaro.”

Weintraub ainda disse que esse era o “Enem do novo ciclo”, que “não fica doutrinando, não fica buscando polêmica. Nem o pessoal mais à esquerda está criticando”.

Numa coisa o ministro está certo: a prova foi a cara do governo Bolsonaro. A cara de um governo de extrema-direita, que clama pelo “sem partido”, quando isso na verdade significa “com partido”: o partido da direita, do fascismo, da censura e da doutrinação.

Bolsonaro sempre atacou o Enem, por vezes soltando pérolas como “O sonho petista em querer nos transformar em idiotas materializa-se em várias questões do ENEM”, chegando inclusive a chamar a prova de “Exame Nacional de Ensino Marxista”.

Já na prova do dia 03, Bolsonaro afirmou que não ocorreu “nada de anormal” no exame e que tudo “foi bem”. Porém, sabemos que isso é só o início de uma política de censura que irá afetar a todos.

Outra prova da política de censura e repressão da direita foi demonstrada no vazamento de fotos da prova no dia do exame. Sobre o caso, Weintraub disse que quem vazou as imagens se arrependerá “amargamente de um dia ter vindo ao mundo.”

A história “sem partido” é a história manipulada, é história sem história, é a tentativa de fazer doutrinação ideológica e de censurar os fatos, algo que a direita acusa a esquerda de fazer e agora o faz.

A censura, a repressão e as tentativas de doutrinação irão se intensificar e ir muito além do Enem. Não podemos seguir o exemplo da esquerda eleitoreira que só se preocupa com uma candidatura para 2022, é necessário convocar o povo para as ruas, pois só por meio da mobilização podemos derrubar o governo Bolsonaro e libertar Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas