ENEM mostra: usarão Bolsonaro como espantalho para censurar redes sociais

sensor

Neste domingo (04) teve início o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que mobilizou mais de 5 milhões estudantes no país inteiro. Um dos elementos mais destacados da prova, porta de entrada para Universidades Federais e privadas, é a redação, e seu tema tem tido repercussão nacional na medida em que expressa, grosso modo, o horizonte ideológico e político do governo. Em 2018 o tema não só serviu para a avaliação dos estudantes como para uma campanha de censura dos golpistas contra o povo.

“Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet”, esse era o tema sobre o qual os postulantes tiveram de dissertar. O golpista, Michel Temer, aprovou o tema, classificando-o como atualíssimo, segundo ele: “ Cumprimentei os organizadores também pela oportunidade do título da prova, que é um título que trata de notícias falsas, da utilização pelos usuários da Internet, um tema portanto atualíssimo”.

Aqui vemos o viés político da campanha dos golpistas: o controle da informação na Internet. O tema da redação é dúbio, pode referir se, tanto a campanhas publicitárias dirigidas ao consumidor pelas grandes empresas por meio da “espionagem” das buscas dos consumidores na Internet, como parece a primeira vista, mas sugere também, como entende Temer, a manipulação política com as chamadas notícias falsas, realizada amplamente e de maneira ilegal pelo fascista Jair Bolsonaro. De todo modo, quem poderia ser favorável a manipulação?

Ora, para coibir a manipulação é necessário controle, regulação pelo Estado, ou seja, pelos golpistas, o que quer dizer exclusivamente, censura. É o início de uma campanha e uma preparação ideológica para a intervenção nas redes sociais, na Internet em geral.

Os meios de comunicação tradicionais, TV, Rádio, Jornais e a informação em geral são na esmagadora maioria monopolizados e controlados completamente pelos capitalistas, no Brasil servem ao golpe. A internet , no entanto, por características próprias, foge ao controle estreito dos capitalistas, daí a campanha em torno das “fake news”, não com a intenção de coibir notícias falsas, pois a maior promotora notícias falsas é a imprensa capitalista tradicional, que é a vanguarda da luta contra contra Fake News. Trata-se de realizá um controle estreito sobre a informação na internet, e um dos principais intentos é  censurar a esquerda, seus sites, canais e blogs, qualificando-os cinicamente de produtores de Fake News.

Assim como a luta contra a corrupção, a luta contra os Fake News é a utilização de um argumento aparentemente plausível para atacar e destruir os direitos democráticos do povo. Sob a desculpa de combater a manipulação, as fake news, querem eliminar o direito fundamental de liberdade de expressão do povo e de toda a esquerda.

Não! Abaixo a censura do governo golpista! A internet deve ser o mais livre possível para garantir o livre exercício e manifestação  da expressão de todos.