Economia
As famílias buscaram crédito junto às intituições financeiras para compor a renda, no cenário de desemprego que flagela o país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
D09C13513DED07F310C695087710A0665AD0_divida2
Desemprego, queda da renda, inflação e arrocho salarial impelem os trabalhadores a se endividarem. | Reprodução.

A pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), publicada na quarta-feira (6), demonstrou que 66,5% das famílias brasileiras estão endividadas. Este é o maior percentual desde 2010, início da série histórica.

A busca por empréstimos junto às instituições financeiras fez com que uma maior fatia do orçamento familiar fosse destinada ao pagamento de dívidas. Em geral, 30% do orçamento está comprometido com dívidas.

Em meio ao genocídio da pandemia do coronavírus, o desemprego e a miséria, os bancos emprestam dinheiro, cobram juros altos, avançam no controle da economia e ostentam lucros bilionários no Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas