Siga o DCO nas redes sociais

Violência desproporcional
Encontradas 72 marcas de tiros na casa em que João Pedro morreu
Líderes comunitários contaram os disparos na parede da casa onde a tia da vítima morava.
tiros na parede joão pedro GRANDE
Violência desproporcional
Encontradas 72 marcas de tiros na casa em que João Pedro morreu
Líderes comunitários contaram os disparos na parede da casa onde a tia da vítima morava.
Parede da casa da tia de João Pedro. Foto: RJTV/Globo/Reprodução
tiros na parede joão pedro GRANDE
Parede da casa da tia de João Pedro. Foto: RJTV/Globo/Reprodução
Da redação

Da redação – João Pedro Matos Pinto, de 14 anos, foi assassinado pela PM carioca dentro da casa de sua tia, em Itaoca, São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Ele brincava com os primos quando foi atingido por um tiro de fuzil da polícia. Líderes comunitários da região encontraram 72 marcas de tiro nas paredes do imóvel após o ocorrido.

A polícia, que agiu com violência totalmente desproporcional contra uma família desarmada dentro de casa, afirma que o fez porque traficantes haviam entrado na residência. A justificativa, além de absurda e sem sentido – já que não haveria necessidade de assassinar uma criança na casa caso houvesse traficantes localizados ali – é totalmente mentirosa. O pai do adolescente, Neilton Matos, negou a versão da PM.

Leia Também  Em plena pandemia, moradores de Brumadinho continuam desamparados