Bahia
E cada vez maior o ataques as condições de trabalho e vida dos trabalhadores, toda a politica de cortes e também preparar as estatais para a privatização
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
IMAGEM_NOTICIA_3
Protesto dos trabalhadores da Embasa | Foto: Reprodução

A diretoria da Embasa (Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A), usando de expedientes catastróficos e apocalípticos, em virtude do contexto pandêmico de maneira intimidatória, impõe aos trabalhadores perdas e mais custos no plano de saúde.

Em mais uma difícil reunião virtual de negociação, realizada na tarde desta quinta-feira (15/10), a diretoria da Embasa propôs aumentar de 10% para 30% na utilização de procedimentos dos (as) trabalhadores (as) no plano de saúde.

Sem argumentos consistentes para justificar mais um ataque as condições de vida dos trabalhadores, ou seja, o aumento da porcentagem no salários dos funcionários da empresa  para uso  o plano de saúde, uma vez que a empresa se encontra em ótima condição financeira, o diretor de gestão corporativa, Gervásio Carvalho, usou de pirotecnias profetizam-te de um  propenso destino trágico da empresa produto da pandemia covid-19 para impor aos trabalhadores uma  indecorosa oferta.

Ao mesmo tempo em que propõe  mais essa ataque aos trabalhadores, encarecendo o acesso ao tratamento médico e provocando mais uma redução indireta de salários, a diretoria da Embasa negou a proposta da pauta de reivindicações de isenção de coparticipação aos (às) trabalhadores (as) que estão em tratamentos decorrentes de acidentes de trabalho e ou doenças ocupacionais, aos dependentes com deficiência e aos empregados portadores do vírus HIV. A posição da empresa, além de indicar retrocessos em conquistas históricas, é desumana, mas alinhada com a postura da atual gestão, que quer abrir o capital da Embasa e entregar ao mercado financeiro, por isso interessa cortar custos em direitos trabalhistas, mesmo que sacrifique a saúde dos seus empregados.

Sobre pressão da categoria o sindicato Sindae (Sindicato dos Trabalhadores Em Água, Esgoto e Meio Ambiente no Estado da Bahia) não vai aceitar a proposta e os retrocessos e vai manter a pauta de reivindicação. Os trabalhadores argumentam que a Embasa tem atualmente boas condições financeiras, que as custas de demissões, isto é, reduziu sua folha de pagamento, que caiu de 27% em 2007 para pouco mais de 16%. Que as custa das demissões a Embasa tem mais de meio bilhão de reais em caixa e um baixíssimo nível de endividamento, situação é confortável para não mais reduzir salários e atacar os trabalhadores. A Embasa está entre as empresas em melhores condições no Brasil. Ou seja, não tem qualquer justificativa econômico-financeira para intimidar e atacar as conquistas dos trabalhadores.

O que esta por traz de reduzir gastos, cortar despesas, eliminar pessoal e retirar conquistas são os planos de privatização para empresas da atual diretoria, e enxugamento de despesas, pois para a Burguesia é isso que o trabalhador significa despesa. Os trabalhadores tem que pressionar as direções sindicais a não aceitarem nenhum tipo de acordo que tire um milímetro que seja de suas conquistas, sem concessões, a luta contra a privatização é também a luta pelos direitos, pelos salários e melhores condições de trabalho. Sem cortes de direitos e pelo Fora Bolsonaro que é responsável pela política de privatização e arrocho salarial e a retirada de direitos dos trabalhadores no Brasil. Os trabalhadores não podem cair no engodo, a Embasa por ser uma empresa estadual seus trabalhadores não devam reivindicar o Fora Bolsonaro. Bolsonaro e os governadores “Científicos” são os artífices da politica geral de privatização e retirada de direitos dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas