Embaixada dos EUA deve R$ 138 milhões de reais para a Previdência: Paulo Guedes vai cobrar dos seus patrões?

paulo-guedes

Segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília deve à Previdência nada menos que R$ 134 milhões. Embora o valor seja altíssimo – muito maior até mesmo dos montantes que o Ministério Público utiliza para denunciar casos de corrupção contra os políticos que se chocam com os interesses do imperialismo -, o governo Bolsonaro não pretende fazer nada em relação às dívidas da Embaixada norte-americana.

A fraude eleitoral realizada pelo imperialismo em 2018 para colocar Jair Bolsonaro na Presidência da República tinha como objetivo aprofundar o golpe de Estado dado em 2016, isto é, levar os ataques dos capitalistas aos trabalhadores brasileiros a um grau ainda mais elevado de exploração. Um desses ataques, sem dúvida alguma, é a reforma da Previdência, que seria um passo fundamental para que os golpistas destruíssem um direito histórico dos trabalhadores: a aposentadoria.

Para realizar a reforma, a imprensa burguesa e o governo golpista insistem em dizer que haveria um “rombo” na Previdência pública, de modo que seria necessário fazer alterações na Previdência para que esta deixasse de ser um fator de desequilíbrio econômico. No entanto, tal “rombo” não existe, é apenas um pretexto para que a reforma seja aprovada. O que existe, na verdade, é um verdadeiro roubo dos patrões à Previdência.

Se a embaixada fosse de Cuba ou da Venezuela, certamente que o governo ilegítimo utilizaria o fato para atacar a Previdência e tais embaixadas. No entanto, a embaixada norte-americana não está submetida ao governo brasileiro: ela é quem, na verdade, controla praticamente todos os aspectos do regime político no país. Foram os norte-americanos quem financiaram o golpe de 2016 e quem permitiram que Bolsonaro chegasse ao poder.

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes são funcionários dos Estados Unidos. Por isso, a reforma da Previdência do governo golpista nada tem de “necessário”: trata-se apenas de uma operação para desviar ainda mais dinheiro dos trabalhadores enquanto os capitalistas seguem sonegando livremente.