Demagogia
Governador do Maranhão, um dos principais defensores da “Frente Ampla”, não quer libertar os presos para barrar o genocídio nas cadeias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dino
Flávio Dino faz demagogia e mantém os presos na cadeia, mesmo com a pandemia | Foto: Reprodução

O governo do estado do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou que irá abrir licitação para a compra de 22 cabines de salas íntimas para serem instaladas nos presídios do estado. Ao todo serão sessenta seis salas disponíveis para os detentos. O valor gasto será 1,6 milhão.

Trata-se, neste caso, de uma política demagógica por parte do governador do PCdoB. Ao invés de implantar uma medida verdadeiramente eficaz de combate à disseminação da pandemia nos presídios, o governo estadual adota uma política superficial, que não vai resultar em nenhuma melhoria prática na situação dos detentos. Muito pelo contrário, pode aumentar ainda mais o contágio no interior das cadeias

De acordo com os dados oficiais do estado, divulgados no final do mês de julho cerca de 161 presos já se contaminaram com a doença no estado,  com uma morte registrada. Entre os funcionários, a contaminação já atingiu 470 servidores, com 9 mortes registradas.

A proposta de Flávio Dino corresponde à política de colaboração de classes defendida pela chamada “Frente Ampla”. Vale ressaltar que o PCdoB é o maior defensor da aliança com os setores da direita, aqueles que deram o golpe de estado, dentro da esquerda nacional. O direitista da política do governador do Maranhão chegou até ao extremo de propor, inclusive, um acordo com o próprio Jair Bolsonaro na tentativa de buscar “conscientizar” o presidente fascista para que o mesmo combata a crise econômica.

A única alternativa real contra o avanço da pandemia e da crise econômica é o desenvolvimento de uma política de enfrentamento a todos os setores da direita nacional, de Bolsonaro até o Doria, a Globo e Luciano Huck. Estes, como os últimos anos demonstraram, são inimigos declarados da classe trabalhadora, das suas condições de vida, seus direitos e garantias.

No caso dos presos, trata-se de um dos setores mais oprimidos da sociedade brasileira. O sistema prisional nacional é uma verdadeira máquina de triturar pobres e negros, marginalizados por conta da brutal desigualdade social que existe no país. Nunca é demais lembrar que praticamente a metade dos presos são presos provisórios, ou seja, nem mesmo foram julgados pelos crimes que cometeram.

A pandemia veio, portanto, intensificar a situação de calamidade a que estão submetidos os presos do país. A superlotação das celas, a falta de condições mínimas de higiene e de estrutura, potencializam o perigo do contágio, da disseminação do vírus.

Diante deste cenário, a única política correta seria a libertação  dos presos, ao menos aqueles detentos que representem menor perigo, o que já corresponde a cerca de 80% do sistema.

De um modo geral, é necessário se opor à qualquer tentativa de acordo com os setores golpistas, é preciso desenvolver uma política independente da direita, uma política que corresponda aos interesses da classe trabalhadora e dos setores mais explorados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas