Cresce a pandemia
Relatório demonstra que a pandemia de covid-19 guanha novo fôlego e avança em todo o mundo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
metro- Lucas Lima 91
Metrô de São Paulo | Foto: Lucas Lima 91

O enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Brasil limitou-se ao bordão “fique em casa”. O conselho foi usado pela imprensa burguesa, por governadores e prefeitos ditos “científicos”, mas só enquanto este queria demarcar uma linha divisória entre eles e Bolsonaro. Passado algum tempo a burguesia passou a exigir o fim do isolamento social, afinal a mais valia vem sempre primeiro. Devemos salientar que em nenhum momento houve isolamento social de verdade no Brasil, a grande maioria da população jamais pode se afastar do trabalho. O fique em casa aconteceu apenas em alguns setores da classe média.

No momento em que vemos a classe média brasileira entediar-se com isolamento social e voltar a encher bares e restaurantes, nos chega a noticia de que um novo surto de infecção de coronavírus assola o mundo. A informação veio sob a forma de um relatório divulgado pela Reuters que mostra uma evolução da pandemia em todas as regiões do mundo.

O dado mais significativo dá conta que na última semana quase 40 países registaram recordes de infeção em um único dia, números que representam o dobro de contágio da semana anterior. A experiência demonstra que um aumento no número de infeção é seguido, nas semanas seguintes, ao aumento do número de mortes.

O crescimento do número de contágio ocorreu sobretudo em países que relaxaram as normas de isolamento social como: Estados Unidos, Brasil, Índia, Austrália, Japão, Hong Kong, Bolívia, Sudão, Etiópia, Bulgária, Bélgica, Uzbequistão e Israel, dentre outros.

A Reuters acredita que os números da pandemia são sub-notificados, o que aliás também é nossa opinião, expressa em diversas matérias sobre o assunto. A agência também informou que o número de países que reportam aumento de casos vem crescendo nas últimas semanas. Eram 7 há um mês, 13 há três semanas, 20 há duas semanas e finalmente 37 nesta semana.

Considerando que segundo a ONU a população mundial é de cerca de 7,79 bilhões de pessoas, e segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) o número de infectados por covid-19 chegou a 15.581.009 nesse sábado (24/07), temos que a pandemia atinge 0,2% da população mundial. Sabemos que as viroses comuns como a influenza, varem o mundo todos os anos e mesmo que não cheguem a caracterizar uma pandemia, atingem grandes porções da população de forma sazonal, isso demonstra o potencial destrutivo a que pode chegar o covid-19 nos próximos anos.

O que tem sido apontado como uma segunda onda de contágio pode ser tão somente uma acentuação no crescimento da curva de contágio, causado pela inoperância das autoridades e pelo relaxamento das medidas de isolamento. A burguesia já tem a dimensão de seu prejuízo e trabalha para revertê-lo, mesmo que isso custe milhões de vidas. A imprensa burguesa age em sintonia com os capitalistas e vem dando cada vez menos importância ao tema, colaborando com uma falsa sensação de segurança.

Fica evidenciado mais uma vez que a população mundial, majoritariamente composta de trabalhadores, não pode esperar que o combate à pandemia de covid-19 fique nas mãos dos governos burgueses, estes sempre irão colocar o capital em primeiro lugar. Cabe às organizações operárias, sindicatos, associações comunitárias e partidos de esquerda conscientizar o povo e travar nas ruas, o enfrentamento a estes governos que além de nos explorar economicamente, agora nos matam aos milhões.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas