Em um dia, golpistas fabricam 26 processos contra os trabalhadores dos Correios de Campinas

correios 1607

Depois que o golpista  general-presidente, Juarez da Cunha, que  preside a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) declarou que tem como  meta demitir 20 mil trabalhadores dos Correios, as direções locais da empresa vem abrindo processos absurdos contra os trabalhadores, visando provocar demissões.

Só na cidade de Campinas, a direção do Sindicato dos trabalhadores dos Correios dessa região, declarou que na quinta-feira (18-04), a entidade sindical recebeu 26 processos administrativos da ECT contra trabalhadores ecetista, visando temperar o histórico profissional do trabalhador para justificar demissões futuras.

Esses processos começam com a SID (Solicitação de Defesa) do empregado diante de uma “suposta” indisciplina funcional, que na maioria dos casos, o trabalhador por não levar a sério o processo maldoso da empresa, acaba respondendo de imediato, sem orientação jurídica, e facilita  com isso a empresa justificar a demissão.

A sanha da direção golpista da  ECT de prejudicar os trabalhadores é tão grande,  que os golpistas estão desenterrando processos antigos, de até cinco anos atrás, para dar nova punição ao trabalhador.

Os processos também estão sendo feitos em nome dos chefes imediatos, mas todas as decisões são elaboradas por um programa de computador, no qual está à disposição frases feitas  do Manpes (Manual de pessoas) e discursos morais contra os trabalhadores, do tipo: “o trabalhador não tem compromisso com seus colegas de trabalho”.

Diante da perseguição aos trabalhadores dos Correios e a política de demissão e privatização da ECT, é necessário mobilizar a categoria, convocar assembleias e preparar a greve em torno da luta contra as demissões e demais reivindicações da categoria, destacadamente a luta contra a privatização, bem como a formação de comitês de luta contra o golpe em toda a base da empresa, levantando uma campanha pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas e pela liberdade de Lula.