Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
negros_pm
|

O Atlas da Violência 2018, estudo do Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) junto com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelou em números o quadro geral de um dos aspectos mais iníquos da opressão do negro no Brasil. O estudo mostrou o aumento dos homicídios no Brasil no período que decorre entre 2006 e 2016, constatando o aumento de 14,0% no quadro geral. Porém, a análise levando em consideração  a composição racial da população brasileira revela o genocídio existente contra população negra em todo territórios nacional.

Enquanto a mortes de não-negros tiveram uma redução de 6,8% , contra os negros cresceram 23,1%. Analisando Estados vemos a brutal realidade, tomemos alguns estado representativos do território nacional em 2016.  No Norte Norte país, vejamos o caso do Estado do Amazonas, a taxa de homicídios contra não-negros a é de 13,7 por 100 mil habitantes, já contra negros é de 43,0 por 100 mil. No Nordeste o caso é extremamente grave, na Bahia a taxa de homicídios entre não-negros é  de 15,1 já contra negros e da ordem de 59 por 100 mil habitantes. Há mesmo casos escabrosos como Alagoas em que a taxa de homicídios contra não-negros está em 4,1, considerada baixa internacionalmente, já contra negros e da ordem de 69, 7,  considerada altíssima, superior à de países mais violentos do mundo.

Na região sudeste, destaque para o Rio de Janeiro, que mesmo tendo reduzido o índice de homicídio permanece com taxas altas e grande discrepância racial, 47,6 a taxa de homicídios contra negros por 100 mil habitantes e 20 a de não-negros por 100 mil habitantes. No Centro-Oeste, Goiás apresenta uma taxa de 55,5 de negros assassinados por 100 mil habitantes, 25,9 de não-negros  por 100 mil habitantes.

No Rio  Grande do Sul, a taxa de homicídios entre  não-negros é  de 26,5 enquanto que contra negros a taxa é de 36 homicídios por 100 mil habitantes, considerando que no sul a população majoritariamente branca. É necessário observar que parte substantiva desses assassinatos são cometidos diretamente pelo Estado nacional, que mantém uma política deliberada de perseguição e controle social contra a população negra que é, aliás, a maioria da população brasileira.

Como compreender esta matança generalizada da população negra ? Seria o racismo, entendido no sentido mais comum, como preconceito, o responsável?  o negro seria vítima de um Estado preconceituoso e de pessoas preconceituosas ?

A resposta é sim é não. O preconceito; a visão negativa do negro, como ser inferior, naturalmente, existem, mas não como movente principal da subjugação do negro e sim como reflexo na psicologia social e individual da opressão real que o negro sofre .

A ideologia democrática do imperialismo e seus penduricalhos, como a ideologia do politicamente correto, feita para justificar a censura contra esquerda, é cada vez mais arraigada, dificilmente alguém no Brasil falaria de público e abertamente contra o negro ou defenderia sua inferioridade racial, como foi comum em outros momentos da história, no entanto a situação do negro não melhorou, vemos que a perseguição do Estado, o extermínio da população negra tem mesmo crescido.

Tal como na antiguidade grega, em Atenas, por exemplo, o cidadão da Pólis só podia existir a partir do escravismo antigo, a democracia liberal burguesa e o capitalismo só podem subsistir condenando amplas camadas, o caso dos negros no Brasil, a uma situação de inferioridade social, política e econômica, a uma sub-cidadania.

A opressão do negro, legada pelo escravismo, é um aspecto essencial do regime político capitalista no Brasil, que não pode absorver esta camada a sociedade civil como um cidadão pleno. Qualquer tentativa do negro de lutar por seus direitos democráticos é brutalmente reprimida; o Estado, por meio da Polícia e da cadeia atuam permanente para segregar o povo negro, marginaliza-lo. A marginalização dos negro, a violência e a situação de inferioridade social, bem como a selvageria que lhes é imposta no tratamento diz respeito a impossibilidade de, sem destruir o capitalismo, incorpora-los plenamente a sociedade  burguesa e, portanto, ao medo que a burguesia tem da população negra.

No entanto, diferentemente da antiguidade, a luta do negro pelos seus direitos democráticos no Brasil é profícua e necessariamente aponta para a derrubada da ordem burguesa, para ditadura do proletariado, único sistema capaz de incorporar plenamente todos a sociedade socialista. O golpe de Estado dado em 2016 aponta justamente para o sentido contrário, subjugar o povo negro completamente e inclusive retirando lhes as poucos conquistas recentes, por isso a luta do negro é  contra o golpe e pelo socialismo necessariamente

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas