No país mobilização unitária
Na eleições PCO não se apresentou como opção à disposição da burguesia, como vergonhosamente, partidos de esquerda fizeram, mas realizou intensa campanha em favor dos trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-11-08 at 19.34.29 (1)
Em todo país militância nas ruas e na luta | DCO

No dia de ontem, 14 de novembro, centenas de militantes do Partido da Causa Operária saíram as ruas no último dia da campanha eleitoral fraudulenta, organizada pela burguesia e seus partidos capachos.

Para dar resposta a toda a censura imposta ao longo da campanha eleitoral a militância e os simpatizantes do Partido da Causa Operária (PCO), agrupados nas várias dezenas de comitês eleitorais espalhados pelo país, reforçaram a agitação política, levando suas campanhas às ruas de todo o Brasil, dialogando  debatendo com os trabalhadores as necessidades imediatas das lutas.

Neste curto período de 45 dias de campanha eleitoral, onde a militância do Partido se mobilizou para enfrentar a ditadura a nível nacional contra o PCO, onde a Burguesia tentou cassar diversas candidaturas do partido e, proibiu até mesmo o Partido de participar da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, com os míseros segundos das campanhas eleitorais passadas. Como a própria imprensa burguesa e demais veículos de comunicação aliados da burguesia, cometeram as mais aberrantes censuras contra os candidatos do PCO, como impedir que os candidatos portassem cartazes, adesivos, camisetas com o Fora Bolsonaro, marca registrada do único partido que efetivamente luta contra o golpe de Estado em teoria e na ação desde 2013, além de vários outros crimes contra o direito do Partido aparecer para população neste período.

Além das calúnias diárias de caráter folclórico contra o partido e seus militantes candidatos, o tratamento criminoso dispensado pelos capitalistas ao Partido e seus militantes impôs abertamente a censura nos debates e no uso dos órgãos de comunicação social, boicote à dezenas de candidaturas país afora e diversos ataques contra os posicionamentos defendidos pelo PCO.

Para enfrentar os ataques da burguesia a militância organizou diversas panfletagens, visitas às moradias dos trabalhadores nos bairros populares, atos públicos, entre diversas atividades públicas e sociais, com objetivo de mobilizar a população, contra o golpe e por um programa de reivindicações que atenda os interesses da classe trabalhadora, especialmente o fora Bolsonaro e a frente única da classe operária por Lula presidente. Além disso, panfletagens nas estações de metrô, nos terminais rodoviários e em diversos bairros das diversas cidades.

O PCO, seguindo sua política de combate ao golpe e na defesa dos interesses dos trabalhadores, usou o momento eleitoral não para se apresentar como uma opção à disposição da burguesia, como vergonhosamente, partidos de esquerda se colocaram nessa posição, mas como um instrumento da luta popular, levando a impedimento do registro da candidatura em Maceió, num vale-tudo para impedir a agitação popular contra o regime genocida de Bolsonaro.

Com o fim da campanha se aproximando, a militância usou o último dia de propaganda política permitido pela burguesia e seus capachos no judiciário eleitoral para intensificar o trabalho de agitação, aglutinar mais forças e produzir um Partido revolucionário cada vez mais forte.

Em todo o país além das atividades de rua o Partido organizou atividades políticas e de confraternização com a militância. Como em São Paulo, onde após um dia de intensa mobilização ocorreu um delicioso jantar de encerramento da campanha eleitoral na capital paulista.

Em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, as atividades se desenvolveram junto aos operários da CSN, onde a agitação política foi uma constante durante toda a campanha. Na capital carioca mobilizações impulsionaram o desenvolvimento do Partido.

Outra cidade, onde os militantes realizaram um exemplar trabalho foi em Blumenau, onde a célula partidária e os comitês realizaram ao longo da campanha inúmeras agitações junto aos operários da Cremer, entre outras grandes fábricas. Em Florianópolis outra intensa agitação também se produziu entre a população da capital catarinense.

No ABC paulista mobilizações ocorreram nas últimas semanas em Santo André e Mauá.

Na Bahia atividades por todas as cidades operárias e do campo onde o Partido tem intervenção. No Amapá, Acre, Alagoas, Pernambuco, Goiás, na capital federal em Minas Gerais, Belo Horizonte.

Enfim de Norte a Sul do País, a militância do PCO e seus simpatizantes nos comitês estiveram nas ruas, em atos, com eventos sociais diversos, sempre levando a perspectiva operária, de luta em defesa dos interesses da classe trabalhadora, contra o regime ilegítimo de Bolsonaro, pelo fim imediato desse governo eleito mediante uma fraude escandalosa e por novas eleições com Lula candidato.

Após o dia de hoje 15 de Novembro, como dissemos durante toda a campanha, o regime capitalista não atenderá a nenhuma das ilusões disseminadas durante o período eleitoral, seja pela direita e mesmo pela esquerda que alcançar o poder, pois o quadro é de crise capitalista e nesta luta o regime continuará a fazer o que vem impulsionando nos últimos quatro anos, ou seja, o empobrecimento da população para que os lucros capitalistas se mantenham ou aumentem as custas do sofrimento, da fome e da morte da classe trabalhadora brasileira. Então para o próximo período a partir desta segunda feira o PCO continuará a fazer o que sempre fez e convoca desde já a continuação da mobilização por elevar à realidade o fora Bolsonaro e Lula presidente, bandeiras fundamentais levantadas pelo Partido na campanha eleitoral que permanecerão sendo impulsionadas, de modo que o fim das eleições não marca o encerramento dos trabalhos de agitação.

Com a clareza de que o trabalho de um partido revolucionário, radical na defesa dos interesses da classe trabalhadora é nas ruas, onde estão os trabalhadores, a mobilização de setores populares contra o governo golpista de Bolsonaro e seus asseclas continuará a ser impulsionada pelo Partido da revolução.

Por fora Bolsonaro! Por Lula presidente! Pela soberania nacional e contra a intervenção do imperialismo e pelo governo dos trabalhadores! Pela construção de um partido revolucionário e de massas. Às ruas com o Partido da Causa Operária!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas