Menu da Rede

Imperialismo prepara novo golpe contra Lula

Miséria e fome

Em todo o mundo, 220 milhões permanecerão desempregadas até 2023

Diante da situação de caos no mundo, os capitalistas não conseguem sequer manter a ração dos trabalhadores

Fila de desempregados – Rreprodução

Publicidade

Em previsões ultra conservadoras do órgão imperialista, o Organização Internacional do Trabalho (OIT) é de que mais de 220 milhões de trabalhadores não terão nenhuma garantia de que terão emprego até pelo menos 2023.

Segundo o órgão imperialista, a agência das Nações Unidas prevê que o número de desempregados deve cair a 205 milhões no próximo ano. O número corresponde a 18 milhões a mais do que os 187 milhões registrados em 2019, ou seja, antes dos estragos causados com a crise do coronavírus. No entanto, os números não batem pois o artigo da Reuters da última quarta-feira (02) pelo menos 220 milhões de pessoas devem permanecer desempregadas em todo o mundo este ano, bem acima dos níveis pré-pandemia, com a fraca recuperação do mercado de trabalho agravando as desigualdades existentes e não há nenhum indicio de que, com a crise se aprofundando como está ocorrendo, a recuperação que a OIT é tão falaciosa, como dizer que daqui a um mês não haverá mais pandemia.

No entanto, conforme explicita Stefan Kuehn, economista da organização e principal autor do relatório, em sua avaliação de que, isso equivale a uma taxa de desemprego global de 6,3% neste ano, caindo para 5,7% no próximo, mas ainda acima da taxa pré-pandemia de 5,4% em 2019.

“O crescimento do emprego será insuficiente para compensar as perdas sofridas até pelo menos 2023”, disse a OIT no relatório Perspectiva Social e de Emprego Mundial: Tendências 2021.

O economista diz ainda que o verdadeiro impacto no mercado de trabalho é ainda maior quando a redução da jornada de trabalho imposta a muitos trabalhadores e outros fatores são contabilizados.

Ele faz uma comparação com o mercado de trabalho nos países imperialistas, tomando como base os EUA e Europa, para Stefan Kuehn “o desemprego não capta o impacto no mercado de trabalho”, enquanto nos Estados Unidos as contratações foram retomadas após perdas massivas de empregos, muitos trabalhadores em outros lugares, especialmente na Europa, permaneceram em esquemas de horário reduzido.

O outro lado da história

Ao não citar uma gama de países, os chamados atrasados, a exemplo do Brasil não há como vislumbrar qualquer perspectiva de que podem ser minimamente o espelho da realidade. No Brasil, onde o governo golpista do fascista Bolsonaro vem, descaradamente, manipulando todo e qualquer dado, no que se refere à situação de desemprego, entre outros dados estatísticos, insiste em dizer que o desemprego vem diminuindo, ou seja, além do cinismo, também é falacioso.

O governo que é capaz de fingir que não há pandemia no país apesar de meio milhão de corpos estarem enterrados nos cemitérios espalhados pelo país afora, devido ao contágio do coronavírus, utiliza essa metodologia genocida em tudo que envolve a população pobre. O desemprego, nesse caso segue ipsis litteris a mesma cartilha e afirma que a taxa no país está estabilizada em 14,7% no último trimestre e que apenas 14,8 milhões de brasileiros estão desempregados. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), no entanto a farsa e mostrada, mesmo com números manipulados, a analista da pesquisa Adriana Beringuy mostra que, apenas 48,4% ainda estão se mantendo no emprego, o que reflete na situação de miséria que está vivendo mais de 117 milhões de brasileiros que estão em situação de pobreza, o que o governo faz questão de esconder a sete chaves.

A analista procura justificar o injustificável, dizendo que: “esse aumento da população desocupada é um efeito sazonal esperado. As taxas de desocupação costumam aumentar no início de cada ano, tendo em vista o processo de dispensa de pessoas que foram contratadas no fim do ano anterior. Com a dispensa nos primeiros meses do ano, elas tendem a voltar a pressionar o mercado de trabalho”.

O IBGE, órgão governamental que elabora esses dados, esqueceu que estamos no meio do ano e nada foi recuperado de emprego, ignora inclusive que um enorme contingente de trabalhadores de setores, cujo emprego não tem nada a ver com os empregos temporários de final de ano, que por sinal foi bem reduzido, a exemplo dos metalúrgicos e várias outras categorias e continuam demitindo e até fechando fábricas.

A Ford fechou suas portas em todas as suas fábricas no Brasil, demitindo mais de 120 mil trabalhadores, a Mercedes Benz de Minas Gerais fez a mesma coisa, no final de março e início de abril, oito montadoras dispensaram seus funcionários, dentre elas estavam a Volkswagen, Mercedes Benz, Toyota, GM, Nissan, Volvo e Scania. Várias dessas montadoras acabaram aumentando o período para que os trabalhadores retornassem ao trabalho, concedendo-lhes férias coletivas, e não para por aí, várias autopeças acabaram fechando as portas, bem como vários outros setores industriais, comerciais e de serviços, como a Yoki, enfim.

O que está ocorrendo é demonstração mais pura de que o capitalismo não tem mais condições de garantir a sobrevivência dos trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.