Futebol
A Portuguesa é vítima do controle que os capitalistas tentam exercer sobre o futebol. A ideia de transformá-la em clube-empresa é expressão dos interesses dos capitalistas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
LUSA-1996
Time da Portuguesa, vice-campeão brasileiro em 1996: imortaisdofutebol.com |

A Associação Portuguesa de Desportos ou simplesmente Portuguesa é parte da história do futebol paulista e brasileiro. O clube foi fundado em 14 de Agosto de 1920, com a fusão de cinco clubes portugueses da cidade de São Paulo: Lusíadas, Lusitano, 5 de Outubro, Marquês de Pombal e Portugal Marinhense. Neste ano, completa o centenário de sua fundação.

A Lusa conquistou os títulos do Campeonato Paulista de 1935 e 1936, dos títulos do torneio Rio-São Paulo na década de 1940 e três Fifas Azuis, prêmio concedido aos times que ficassem 10 jogos invictos em excursões internacionais. Na década de 1970, seu estádio próprio, o Estádio Independência, famoso Canindé, é inaugurado. Em 1973, conquista o título paulista. Grandes jogadores e expoentes do futebol nacional e internacional passaram pelo clube. Em 1996, a Lusa sagrou-se vice-campeã brasileira.

Em que pese sua importância e a riqueza de sua história, a Portuguesa é vítima dos monopólios capitalistas e do controle que buscam exercer sobre o futebol. No ano de 2013, o clube foi vítima de uma ilegalidade praticada pela CBF, quando foi punida e perdeu quatro pontos, o que acarretou seu rebaixamento para a série B do Campeonato Brasileiro. Quem deveria ter sido rebaixado era o Fluminense. O Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) legalizou a punição aplicada pela CBF. Os dirigentes do clube na época foram responsáveis pelo rebaixamento, o que ajudou a piorar a sua já difícil situação financeira.

Com o passar dos anos, a Lusa perdeu investimentos e visibilidade, viu decair suas receitas e, consequentemente, a deterioração de seu patrimônio. Ocorreu o sucateamento devido à falta de manutenção das suas instalações em paralelo com a queda no número de sócios. Com o endividamento crescente e a falta de receitas, a situação foi se tornando catastrófica, de tal forma que se cogitou a venda do Canindé, tradicional símbolo do clube.

Os capitalistas querem se aproveitar da situação da Lusa para capturá-la de vez. Em 2019, cogitou-se a fusão com a empresa austríaca Red Bull, similar ao ocorreu com o Bragantino, o que implicaria no apagamento de sua história, na mudança de seus símbolos e tradições em prol dos interesses da Red Bull. A ideia seria adequá-la à lógica do clube-empresa e permitir a progressiva tomada do futebol nacional pelo capital internacional. Também foi sinalizada a venda do estádio Canindé para a construção de empreendimentos imobiliários com fins de especulação.

O objetivo do clube-empresa é transformar o futebol em um empreendimento empresarial, que consolide o domínio dos capitalistas sobre os clubes e sirva como instrumento para o enriquecimento. As alegações de que é preciso “salvar” a Lusa e transformá-la em um clube-empresa são expressão, na verdade, dos interesses dos capitalistas.

 

 

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas