Fraude eleitoral
A pesquisas de intenção de votos são manipuladas pela burguesia para dar um resultado que prejudique o PT, mesmo que seja irreal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jilmar-tatto-foto-felipe-araujo
Jilmar Tatto, candidato do PT a prefeitura de São Paulo boicotado pelos monopólios da burguesia | Foto: divulgação/PT

O Datafolha divulgou, na última quinta-feira (8), nova pesquisa eleitoral referente à disputa para a prefeitura de São Paulo. A pesquisa, que tem 95% de acerto e margem de erro de 3% para mais ou ara menos, segundo o instituto, foi encomendada pela TV Globo e o jornal Folha de S. Paulo, principais articuladores do golpe de Estado contra o governo do Partido dos Trabalhadores em 2016. Não por acaso a pesquisa expressa mais a oposição destes monopólios e da burguesia que representam ao Partido dos Trabalhadores do que as intenções eleitorais da população da cidade de São Paulo.

A pesquisa revela um quadro inacreditável, Jilmar Tatto (PT), candidato do maior partido do País, partido que já governou a cidade várias vezes, que é candidato do ex-presidente Lula, político mais popular do País, aparece com inacreditável  1% das intenções de voto, junto com o companheiro Antônio Carlos Silva (PCO), além de Vera Lúcia (PSTU), Orlando Silva (PCdoB), Maria Helou (Rede), Joice Hasselmann (PSL) e Filipe Sabará (Novo).

Todos estes atrás de Levy Fidelix (PRTB) com 2% e Arthur Do Val – Mamãe falei, com 3%. No andar de cima, os candidatos que a burguesia quer levar para o segundo turno estão, em primeiro, Celso Russomanno (Republicanos), com 27% das intenções de votos, em segundo o atual prefeito Bruno Covas (PSDB) com 21%, e no meio os candidatos que a burguesia impulsiona contra o PT e que são parte fundamental da manobra de exclusão deste partido, primeiro, Guilherme Boulos (PSOL) com 12% e Márcio França (PSB) com 8%.

Veja abaixo o resultado da pesquisa geral:

  • Celso Russomanno: 27%
  • Bruno Covas: 21%
  • Guilherme Boulos: 12%
  • Márcio França: 8%
  • Arthur do Val: 3%
  • Levy Fidelix: 2%
  • Andrea Matarazzo: 2%
  • Joice Hasselmann: 1%
  • Jilmar Tatto: 1%
  • Vera: 1%
  • Marina Helou: 1%
  • Antônio Carlos: 1%
  • Sabará: 0%
  • Orlando Silva: 1%
  • Branco/ Nulo: 12%
  • Não sabe/ Não respondeu: 4%

 

É uma manipulação evidente na medida em que está completamente em oposição à realidade. Este resultado significaria que o PT perdeu completamente a sua base eleitoral na cidade, que migrou totalmente para Boulos e Marcio França e e ainda para outros candidatos. O PT elegeu o prefeito da cidade  cerca de 8 anos atrás com 55% dos votos e nas eleições fraudulentas de 2016, em meio ao golpe que derrubou a presidenta Dilma, o partido teve 16% dos votos dos paulistanos.

Nas igualmente fraudulentas eleições presidenciais de 2018, a cidade de São Paulo deu ao candidato do PT cerca de 19% dos votos e no segundo turno cerca de 40%. Mesmo com toda a manipulação dos dados eleitorais pelos órgãos competentes, podemos ver, no entanto, que o Partido dos Trabalhadores tem um eleitorado fiel na cidade e que esse não pode ser menor que 16%. Essa base eleitoral do PT na cidade, segundo a pesquisa, simplesmente desapareceu.

Já o PSOL disparou de maneira inexplicável. Vejamos os números. Nas eleições de 2012, o candidato do PSOL teve pouco mais de 1% dos votos, em 2016 Erundina, candidata pelo PSOL, teve pouco mais de cerca de 3% dos votos. Nas eleições presidenciais de 2018, Guilherme Boulos, então candidato a presidente pelo PSOL, teve na cidade cerca de 1% dos votos. A base eleitoral do PSOL na cidade está entre 1% e 3%, seu melhor resultado, mas aparece na pesquisa com 12%, o que é um crescimento gigantesco.

Naturalmente que a base do PT não desapareceu, mas está sendo escondida pelos monopólios de comunicação como estratégia de enfraquecimento do partido para permitir que os candidatos da direita ganhem tranquilamente a eleição, inclusive fraudando-a, se necessário, sem causar nenhum escândalo, como causou a fraude que realizaram sem preparação em 2016 em vários locais.

Está manobra está sendo realizada com o apoio da esquerda, notadamente o candidato do PSOL, Guilherme Boulos.  É evidente que a burguesia está inflando e apoiando a candidatura Boulos para dar a impressão que diminuiu drasticamente a base eleitoral do PT, dando a entender também que o candidato do PSOL pode vir a ter uma chance de ir para o segundo turno se os votos da esquerda forem para ele, ou seja, não somente escondem os votos, como estimulam a migração destes votos para outros candidatos. Há mesmo um certo caráter na manobra de uma espécie de “lavagem de votos”, que eles vão roubar do PT para apresentá-lo como um partido morto na cidade, para isso apresentam artificialmente o PSOL com uma base eleitoral que ele jamais teve na cidade. É naturalmente uma farsa e um golpe. Ao invés de denunciar o golpe antidemocrático, Boulos se deixa levar pela cortesia da burguesia.

A pesquisa é parte da política da frente ampla, da qual Boulos faz parte, para isolar, pela fraude, o PT, sobretudo a ala lulista. O resultado desta manobra é apresentar o candidato da direita golpista, da frente ampla, que vai ganhar a eleição, provavelmente Covas, como o candidato com legitimidade para massacrar o povo, mas, também, principalmente, fazer coro com a campanha de transformar Lula em coisa do passado, superado por uma “nova” esquerda defensora da frente ampla.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas