Em menos de três minutos é registrado um acidente de trabalho no Brasil, os frigoríficos são os maiores responsáveis por essa tragédia

frigorificos

Das mais de 500 mortes ocorridas por dia, por conta de acidentes do trabalho, uma parcela considerável e de responsabilidades dos patrões dos frigoríficos.
No Brasil existem cerca de cinco mil frigoríficos e, todos, sem exceção são potenciais fontes de ocorrências de acidentes e doenças do trabalho.

Como setor industrial, os frigoríficos estão em primeiro lugar, sem medo de errar, todos potencialmente, e em praticamente todos os setores. São a casa de máquinas, os equipamentos de refrigeração, cujo gás amônia é responsável por inúmeros acidentes diários, também existe, uma gama de acidentes e doenças por conta das péssimas condições de trabalho, falta de manutenção, equipamentos de proteção inadequados, o excesso de trabalho, ritmos acelerados e horários de trabalho superior ao permitido por lei (oito horas diárias), ou seja, uma total negligência dos patrões que visam, única e exclusivamente, o lucro em detrimento de qualquer outra coisa.

Nos frigoríficos, em virtude das doenças contraídas dentro da fábrica e que não são registrados é muito grande, há também um contingente de operários que ficam inválidos pelo resto de suas vidas, com membros atrofiados.

Regularmente tem se notícias de acidentes com morte, tal como ocorreu com um funcionário do frigorifico Seara, de Samambaia, do distrito federal, empresa do grupo JBS/Friboi, o jovem trabalhador caiu dentro da máquina, que não tinha proteção, a qual limpava, sendo moído por ela.

O governo golpista de Jair Bolsonaro, que está no poder através da fraude eleitoral, tiveram que retirar a Dilma Rousseff da presidência da república e prender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e impedindo-o de participar do processo eleitoral, com o propósito de pagamento dos patrões, principalmente dos frigoríficos pelo financiamento deste golpe, com a Ministra de Agricultura Tereza Cristina quer os donos desses frigoríficos mais livres para destruir os seus funcionários, transformando-os em trabalhadores piores que os escravos no período da colonização.
Aos trabalhadores somente a mobilização através de comitês de luta contra o golpe, em todas as fábricas, bairros, municípios, estados, etc. é que poderá acabar com tamanha atrocidade.