Uma semana de protestos
1.699 pessoas foram presas em 22 cidades dos Estados Unidos. Cerca de 25 cidades em 16 estados declararam toque de recolher
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
protestos-NY
Viatura da polícia de Nova Iorque (NYPD) incendiada por manifestantes. | Foto: Reprodução.

A morte de Goerge Floyd, asfixiado por um policial na cidade de MIneápolis (estado de Minnesota), na última segunda-feira (25), serviu como detonador de mobilizações populares que se alastraram por todos os Estados Unidos e canalizaram a atenção do mundo.

Na primeira semana de protestos, foram presas ao menos 1.699 pessoas em 22 cidades. Cinco morreram em confronto entre a população, a polícia e as forças de extrema-direita. Cerca de 25 cidades em 16 estados determinaram toque de recolher. 30% das prisões ocorreram na cidade de Los Angeles (estado da Califórnia), onde o governo estadual declarou estado de emergência e pediu ao governo Trump que enviasse a Guarda Nacional para apoiar o contingente de 10 mil policiais da cidade.

A Guarda Nacional foi convocada neste domingo (31) para reprimir os protestos em 15 estados e na capital Washington D.C. Ao todo, 5 mil membros treinados e fortemente armados foram postos à disposição para reprimir a população. Os seguintes estados receberam contingentes da Guarda Nacional: Indiana, Kentucky, Georgia, Colorado, Ohio, Minnesota, Carolina do Norte, Pensilvânia, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Tennessee, Utah, Texas, Wisconsin e Washington.

Em Los Angeles, aproximadamente 400 pessoas foram detidas na madrugada deste domingo (31). Já em Nova Iorque, verificaram-se 340 prisões neste dia. No total, 33 policiais ficaram feridos, alguns de forma grave. Em Seattle e Denver, ocorreram 27 e 83 prisões respectivamente. Também ocorreram protestos na frente da Casa Branca, localizada em Washington D.C., residência oficial do Presidente Donald Trump.

Trump recomendou que os prefeitos e governadores, que controlam as forças de repressão nos municípios e Estados, por sua vez, ajam de forma “muito dura” com os manifestantes nas ruas. O presidente ainda prometeu a utilização das forças de repressão federais para atacar o povo. Por fim, ele disse que os protestos tinham “pouco a ver” com o assassinado de George Floyd.

A burguesia norte-americana, a mais rica e poderosa do mundo, está colocando todo o aparelho de repressão estatal em todos os níveis – municipal, estadual e federal – para sufocar as mobilizações populares, expressões legítimas do ódio contra a exploração capitalista, a miséria, a pobreza e a opressão política e racial no país. Diversas medidas ditatoriais estão sendo tomadas, como a implementação de toque de recolher, repressão a repórteres e jornalistas e prisões massivas de cidadãos.

Em muitas localidades, as mobilizações se transformaram em verdadeiras insurreições contra o Estado e as forças de repressão. Em Mineápolis, diversos estabelecimentos policiais arderam em chamas. A morte de Floyd, de forma brutal por um policial em plena luz do dia, serviu como uma faísca que incendiou os campos.

A ação do poderoso aparato repressivo deixa evidente o caráter ditatorial da dominação da burguesia dos EUA sobre o conjunto da população. A aparência de democracia se esfacelou diante de todos. A mobilização popular nas ruas está colocando em xeque o regime político burguês nos Estados Unidos, e esse é o caminho para conquistar todas as aspirações populares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas