Genocídio Norte Americano
Na maior crise sanitária do século, e liderando o número de mortos por COVID-19, norte americanos podem perder o “Obamacare”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
trump-1-1200x720-1
Donald Trump | Foto: Reprodução

Com mais de 2,5 milhões de infectados e mais de 127 mil mortes por complicações de COVID-19 – até o momento – o presidente Donald Trump pediu à Suprema Corte na noite do dia 25, a revogação do chamado “Obamacare”, um sistema que fornece seguro de saúde para milhões de americanos.
A Lei de Assistência Acessível (ACA), surge no momento em que os Estados Unidos registram suas taxas mais altas de infecção desde que a pandemia do novo coronavírus atingiu o país norte americano.
O Departamento de Justiça (DoJ) argumenta que “o mandato individual não é separável do restante da lei” e que “que a cobertura que protege as pessoas com doenças preexistentes e determina que as seguradoras não possam rejeitar clientes, devido à sua idade, sexo, ou situação de saúde, também deve ser revogada.”
Segundo a presidente da Câmara dos Representantes (Deputados), a democrata Nancy Pelosi, “Não há justificativa legal, nem desculpa moral, para que o governo Trump tire a assistência médica dos americanos”.
Hoje, 29 estados experimentam novas ondas de infecções, com quase 40.000 novos casos registrados, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.
As autoridades de saúde estimam que cerca de 24 milhões de pessoas possam ter sido infectadas em algum momento, 10 vezes mais do que o número oficialmente registrado de cerca de 2,4 milhões.
Ocorre que se a medida for aprovada, cerca de 130 milhões de americanos podem perder as proteções da ACA, e até 23 milhões podem ficar sem seguro algum.
Tudo isso, é nada mais nada menos, do que os frutos desta a política de direita no país mais rico, e o mais afetado pela pandemia. Tecnologia e aparato científico, para evitar essa catástrofe que assola o país estadunidense, não falta. Mas assim como em terras brasileiras, a burguesia da terra do “Tio Patinhas”, vive de explorar quem trabalha, ou seja, o que poderia ser utilizado para salvar as centenas de milhares de vidas perdidas – e que ainda terão mais perdidas – está à disposição única e exclusivamente para a burguesia.
O pouquíssimo suporte assistencial que a classe trabalhadora norte americana tinha, nem isso, as ratazanas imperialistas querem mais. Em resumo, trata-se de uma elitização da vida.
Toda esta crise sanitária joga luz para o fato, de que o capitalismo não aguenta nenhum tipo de crise, e que o socorro estatal, serve apenas para a burguesia sanguessuga, que usa todo o seu lobby para livrar a suas peles, às custas da vida de milhões da classe pobre e trabalhadora, deste mundo.
É inaceitável que o capitalismo prossiga gerindo a sociedade na sua forma de vida e relação, após tantas vidas terem sido sacrificadas, por conta deste modelo econômico assassino.
A saúde tem que ser um bem de acesso a todos, de forma irrestrita, não apenas para meia dúzia de parasitas, que sugam todos os recursos disponíveis, para que apenas as suas vidas inúteis sejam salvas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas