Mais ataques
Campanha golpista em defesa do Teto dos Gastos antecipa ataques contra direitos do povo, tais como os cortes superiores a R$4 bilhões na Educação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(São Paulo - SP, 11/06/2019) Palavras do Presidente da República, Jair Bolsonaro..Foto: Alan Santos/PR
Guedes quer matar o povo de fome. | Foto: Alan Santos/PR

Com mais de 3 milhões de doentes pela pandemia no País e um contingente superior a 100 mil mortos (e isto segundo estatísticas de credibilidade questionável), o governo golpista de Jair Bolsonaro volta sua atenção à manutenção do teto dos gastos públicos. Segundo informações divulgadas pelo jornal burguês Estado de S. Paulo (“Ministério da Economia cria força-tarefa para defender o teto de gastos”, 11/8/2020), o governo planeja enviar a equipe econômica chefiada por Paulo Guedes ao Congresso para divulgar dados referentes ao crescimento da dívida pública, cuja previsão para o ano é de chegar a 98,2% do PIB.

Uma consideração importante sobre isto é que o próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já declarou que nenhuma medida que ameace o teto dos gastos se desenvolverá na Congresso, o que torna a exposição da equipe inócua sob qualquer aspecto que não seja uma campanha de terror contra a população.

Esta campanha, como todas promovidas pela direita para desferir golpes contra os trabalhadores e o amplo conjunto da população, precisa ser analisada à luz da declaração de Bolsonaro no último dia 4, que a respeito do auxílio emergencial disse que “não dá para continuar muito porque por mês custa R$ 50 bilhões”, portanto, R$600 bilhões em um ano, menos da metade do que o golpista prontamente deu à burguesia no mês de março.

Ora, se a preocupação do governo fosse com o uso racional dos recursos públicos, sua atenção seria voltada ao montante superior a R$1,2 trilhão destinado a um número reduzido de capitalistas, os principais beneficiados pela expansão do endividamento público, e que seguem praticamente donos do orçamento público do governo.

Além disto, um dos argumentos mais utilizados pela direita durante a agitação criada para derrubar a presidenta Dilma Rousseff é que sob sua condução, o Brasil caminhava para uma situação econômica próxima ao fim do mundo, com a proporção “dívida x PIB” se aproximando de 66%.

A proporção verificada nas semanas anteriores ao golpe de 2016 foram superadas com grande margem, o que ajuda a esclarecer o fato de que a questão da dívida pública é fundamentalmente uma campanha política da direita para justificar ataques contra a população.

Como a política econômica segue a ordem de intensificar a rapina dos grandes capitalistas, a campanha pela defesa do teto de gastos, que finalmente, antecipa mais uma onda de cortes orçamentários contra direitos da população (como da educação que já tem previsão de cortes superiores a R$4 bilhões para o ano que vem), reforça o caráter de classe do governo, assim como a situação política do país, marcada por uma ditadura da burguesia cada vez menos preocupada em disfarçar sua natureza.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas