Não há política de moradia
Um número para Bolsonaro mostrar, outro para engordar os ricos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
luta por moradia ajustado
Mesmo com baixa demanda, os alugueis vão aumentar | Fábio S2

Mostrando mais uma vez como as engrenagens estão aí para atender o capital e não a população e, por isso, precisam ser desmontadas, dois índices que medem a inflação mostram grande diferença de um pro outro. Um deles é o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), geralmente usado para reajustar o aluguel pelos proprietários. Segundo esse índice, calculado todos os meses pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável também pela divulgação dos resultados, a inflação dos últimos doze meses para agosto foi de 17,94%. No mínimo curioso que seja uma entidade privada a fornecer o subsídio técnico necessário ao reajuste que beneficia os proprietários.

Já o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um órgão público, mediu a inflação no mesmo período em 2,44%. Como pode o índice para os alugueis ser não apenas diferente, mas muito maior do que o da inflação medida pelo órgão público? Claro que pode-se especular que o índice do IBGE esteja sendo manipulado pelo governo da extrema-direita para mostrar uma inflação menor, haja visto os diversos casos de aparelhamento dos órgãos de estado, especialmente, neste caso, o próprio IBGE. Mas por que os proprietários de imóveis “costumam” usar o outro índice, da fundação privada ?

Na matéria do jornal Estadão, da qual tiramos esses números, a explicação é meramente técnica, claro, com o intuito de esconder os verdadeiros motivos por trás dessa disparidade. O repórter apresenta uma analogia imbecil mais preocupada em justificar que não há motivos para o cidadão e o inquilino se preocuparem do que em discorrer porque de fato essa classe burguesa leva uma vantagem assombrosa sobre o restante da população, especialmente em um momento de crise que se aprofunda como o atual. Além de tentar esconder a verdadeira situação de exploração desmedida, a matéria cita que esse índice é calculado com base em pesquisas de preços que impactam mais comércio e indústrias o que, com o dólar na estratosfera e o recuo da demanda, teria elevado grandemente o número. É composto em 60% por variação dos preços do atacado e apenas 30% dos do custo de vida. Justificam que o índice deveria se aplicar a imóveis comerciais.

Ou seja, foi um índice criado especialmente para agradar aos burgueses proprietários de imóveis e adotado na maior cara de pau pelos seus funcionários no poder político. Logo, a razão dessa disparidade não é outra se não a política. Ao contrário do que o Estadão, empresa de imprensa completamente voltada à defesa dos interesses dos grandes capitalistas, tenta justificar com tecnicalidades vazias, o problema é que a criação e a adoção deste índice em contratos de aluguel deriva do fato de as leis que regem os contratos permitirem, porque as leis são feitas para atender o capital. O Brasil é um país que não se interessa pelas condições de vida da população.

Aqui é para o capital explorar e engordar, não para atender o povo, pensam eles, e eles precisam ser expulsos, em benefício da população. Continuando a estupidez conformista da matéria do jornal pró-rico, o redator alega que, em algum momento no futuro, esses índices vão se encontrar, aproximando mais os números. Mas e daí? Os contratos já estarão reajustados. E quanto a isso, a solução do panfleto de rico travestido de jornal, é que os inquilinos negociem com donos de imóvel, que façam uma media entre o IGP-M e o IPCA, ou seja, é a velha ideia da negociação individual, que todos sabem que redunda em ganho do mais rico e que é, afinal, mais uma desculpa para jogar a culpa pelo aluguel alto no próprio inquilino que “não soube negociar”. O que essa ideia faz na verdade é camuflar a realidade de superexploração da população pelos capitalistas. O sistema que cria essas condições humilhantes de massacre das pessoas precisa ser destruído, essa é a proposta revolucionária que faz sentido e que de fato vai mudar alguma coisa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas