Colômbia
2019 registra recorde de mortos das FARC, com 77 pessoas assassinadas. Enquanto isso, grupo paramilitar de extrema direita cerca comunidades da Colômbia
paramilitares colombia
Membros do grupo paramilitar de extrema direita AGC |

2019 foi o ano em que mais membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) morreram, totalizando o número de 77 mortos e, já nesse dia 02 de janeiro, o partido que deu lugar ao grupo guerrilheiro anunciou que mais um de seus militantes foi assassinado, o ex-guerrilheiro Benjamín Banguera Rosales. Em 2016, um acordo de paz entre a guerrilha e o governo colombiano foi firmado, porém, como já era de se esperar, o governo não respeitou o acordo e iniciou uma perseguição aos membros do partido.

Enquanto isso, membros da milicia de extrema direita Autodefensas Gaitanistas de Colombia (AGC) cercaram 4 comunidades na região de Chocó. O grupo tem o intuito de tomar conta da região por ela ser de grande importância para o tráfico de drogas.

De acordo com a Telesur, moradores da região que conseguiram escapar ao cerco relataram que cerca de 300 homens armados tomaram conta das comunidades de  Curbaradó, Jiguamiandó, Pedeguita y Mancilla y La Larga Tumaradó. Os paramilitares proibiram qualquer repasse de informação de dentro das comunidades, sob pena de executar os líderes locais caso alguma informação escape.

A organização paramilitar de extrema direita foi formada em 2008, após o desmanche da Autodefensas Unidas de Colombia, maior grupo de extrema direita do país e responsável por pelo menos 100.000 mortes durante o tempo de sua atuação.

A AGC é responsável por 80% das mortes de civis na Colômbia e tem participado em peso da perseguição aos membros do partido das FARC após o acordo de paz e foi utilizada pelo governo de extrema direita de Ivan Duque para reprimir a população durante as manifestações que tomaram conta do país no final de 2019.

Como resposta a todas essas investidas da extrema direita, o que sobra do partido das FARC capitula como a esquerda brasileira, cobrando de Ivan Duque (o fascista que está exterminando a população colombiana) que ele leve escolas, hospitais e segurança para os territórios cercados, ao invés de chamar a população para a luta contra a extrema direita.

Relacionadas