Formação teórica
A 46° Universidade de Férias será ministrada pelo presidente do PCO, o companheiro Rui Costa Pimenta; será uma arma fundamental no combate a frente ampla
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Yalta_summit_1945_with_Churchill,_Roosevelt,_Stalin
Churchill, Roosevelt e Stalin: a frente amplissíma | Foto: Reprodução

A próxima Universidade de Férias do Partido da Causa Operária, realizados pela Fundação Joao Jorge Pimenta e a Aliança da Juventude Revolucionária, terá como tema “O que foi o stalinismo? Uma análise marxista”, e será ministrado pelo companheiro Rui Costa Pimenta, presidente nacional do PCO, durante os meses de janeiro e fevereiro. Será sua 46° edição. O curso será transmitido online, diferentemente das edições anteriores da Universidade de Férias, devido a pandemia de corona vírus que assola o País e todo globo terrestre. Será disponível através do site da Universidade Marxista, e terá junto um acervo de textos e documentos sobre o tema, além de uma filmografia relacionada com o tema. Em janeiro o curso contará com duas aulas por semana, toda terça-feira e quinta-feira. Em fevereiro ainda será divulgado o calendário respectivo ao mês. 

O curso tem como objetivo formar teoricamente aqueles que almejam a revolução do proletariado mundial e o socialismo, para firmar a convicção política daqueles que travam essa luta e também de todos aqueles que querem entrar para as fileiras da política revolucionária. Principalmente diante da atual ameaça fascista e de movimentos contrarrevolucionários que deixam os trabalhadores a reboque de políticas golpistas como a frente ampla. Além de um vasto conhecimento sobre os principais acontecimentos de todo século XX, o curso visa preparar militantes, simpatizantes e ativistas que lutam contra os golpistas, a burguesia e suas manobras a ter consciência do que está acontecendo no atual momento histórico que vivemos, para podermos agir com uma política clara diante da situação. Embora o tema seja nomeadamente difícil, o curso contará com uma linguagem clara para que todos os seus participantes entendam com clareza todo desenvolvimento revolucionário de uma época e as ações contrarrevolucionários do mesmo período; e é nesta última que se encontra o stalinismo.  

Mesmo que o stalinismo não exista mais, já que esse fenômeno político depende de condições específicas, em especial a antiga URSS, já que o que chamamos de stalinismo não passava de uma casta burocrática formada no interior do Estado operário. O tema voltou à tona com figuras como Breno Altman, Jones Manuel e entre tantos outros que reivindicam o stalinismo, como todo novo e pequeno-burguês PCB, incluindo aí seus membros mais jovens e os velhos mais apagados, como José Paulo Netto, e também a “reabilitação” de Stalin; onde alguns defendem abertamente e outros tentam disfarçar. Como toda essa “nova onda” de um “novo” stalinismo, é imprescindível a discussão do tema em sua mais ampla profundidade. Por isso, a escolha do assunto para discussão na Universidade de Férias do PCO. Esse filostalinismo, uma devoção já agora forçosa, ou também chamado de “stalinismo sem gulag”, é a farsa do que já foi a tragédia do stalinismo.  

Enquanto o stalinismo foi um grande movimento histórico de uma conciliaçao de classes com o imperialismo mundial, feito a base da bala, da perseguição, dos bombardeios, o “neo-stanilismo” é sua versão para crianças; é a conciliação com os conciliadores; geralmente um stalinista apoia o PSOL ou até mesmo a própria direita, como Ciro Gomes. Há nessa modalidade muito barulho, diferente dos passos da GPU, ou KGB, contra os trotskystas e dissidentes de sua época. Principalmente no que se refere a internet, afinal os adolescentes que povoam o ambiente do “glorioso” pais dos povos dificilmente são vistos em mobilizações ou fazendo alguma atividade política fora da internet. Em seus grupos de internet, rosnam e riem à vontade com um “humor” bolsonarista: “trotskysta bom é trotskysta picareteado”; a nova versão do “comunista bom é comunista morto”; “após mandar um trosko para o gulag, se hidrate” e entre outras façanhas que um adolescente birrento e com tendências fascistas adoraria.  

Embora esses seres que não povoam o ambiente diurno não sejam vistos fora da internet, eles refletem um ambiente que é o ambiente de seus idealizadores. Não discutem política, mas apoiam abertamente ou discretamente a política da frente ampla. Todos os stalinistas acabaram, nessas eleições municipais, a apoiar uma manobra ou outra da burguesia. Alguns apoiaram o “gabinete do amor”, muito contraditório ao sanguinário gulab que eles não têm, de Guilherme Boulos; alguns outros, a própria direita, como o PCdoB em qualquer lugar onde esteve. Não é de surpreender que os admiradores do velho Stalin, o maior colaboracionista de classe de todo século XX, seja apoiado e idolatrado hoje por, também, traidores de classe; de menor envergadura, lógico. 

Por isso a necessidade de se estudar e discutir sobre o tema, para combater a ala esquerda da frente ampla com os golpistas. 

Confira a programação do curso sobre o stalinismo 

1° Parte – 1924 a 1933 

  1. Introdução – Stalin até a tomada do poder 
  2. Burocracia, a URSS 
  1. A primeira etapa
    3.1 – Na URSS
    3.2 – Na III Internacional
  2.  A luta interna
  3. revolução chinesa 
  4. A segunda etapa 
  5. Processos de Moscou 
  6. coletivização forçada 
  7. O terceiro período  

2° Parte – 1934 a 1948 

  1. As frentes populares
    1.1 – França
    1.2 – Espanha
  2. Pacto com Hitler e Invasão da URSS 
  3. A guerra e a derrota do nazismo
    3.1 – O expurgo do exército 3
  4. O pacto contrarrevolucionário com o imperialismo 4.1 – Itália, França e Grécia
    4.2 – Ialta
    4.3 – A democracia
    4.5 – O leste europeu
    4.6 – A divisão da Alemanha 5
  5. Plano Marshall e leste europeu 

3° Parte – 1948 a 1991 

  1. Terror no leste: processos de Praga
  2. A revolução chinesa e a revolução mundial
    2.1 – As revoluções stalinistas 
  3. A guerra fria, a coexistência pacífica 
  4. A morte de Stalin, Krushov 
  5. Crise no Leste, 53-56 
  6. Brezhnev 
  7. 1968 
  8. Crise Mundial, Afeganistão, o começo do fim 
  9. Polônia, Gorbachov e a restauração 
  10. Colapso da URRS 
  11. Stalinismo e a cultura  
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas