A palavra de ordem do momento
No acampamento, diversas faixas e cartazes foram penduradas nas grades e contêm frases como “Fora Bolsonaro”, “Bolsonaro é miliciano” e “Ei Bolsonaro vai tomar naquele lugar”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
8aed36c9baadac18d9eca4c0037972c1 (1)
Faixas pelo Fora Bolsonaro no acampamento no Palácio do Governo. Foto: Valmir Macêdo/Cidadeverde |

Da redação – Os professores da rede estadual de ensino do Piauí, que estão em greve desde o dia 10 de fevereiro, ergueram acampamento em frente ao Palácio de Karnak, sede do governo do Estado, nesta quarta-feira (04), para pressionar o governador Wellington Dias (PT) a atender suas exigências salariais.

Eles pedem que o reajuste referente a 2019 de 4,17% seja aplicado no contracheque, enquanto o político da ala direita do PT propõe a aplicação em forma de auxílio alimentação. Além disso, os docentes pedem um reajuste para 2020 no valor de 12,84%.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) propõe acampar por tempo indeterminado até que se resolva a situação dos professores. Segundo o Sinte, 85% da categoria está paralisada.

No acampamento em frente ao Palácio do Governo, diversas faixas e cartazes foram penduradas nas grades e contêm frases como “Fora Bolsonaro”, “Bolsonaro é miliciano” e “Ei Bolsonaro vai tomar naquele lugar”. A imprensa golpista do Piauí tratou de atacar a manifestação pela derrubada de Bolsonaro por parte dos professores ao destacar que alguns deles teriam reclamado que tais palavras de ordem estariam “desviando o foco” da manifestação.

O que fica claro, no entanto, é o crescente movimento nacional das massas trabalhadoras, femininas e da juventude, pela derrubada do governo de características fascistas que é o regime golpista liderado pelo ilegítimo Bolsonaro.

Todos os professores do Piauí e do País inteiro estão convocados a participarem dos atos nacionais que ocorrerão em 18 de abril pelo Fora Bolsonaro, e os atos dos dias 8, 14 e 18 de março também devem ser marcados por manifestações pela derrubada do governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas