Aumento da cesta básica
Mais uma vez, brasileiros são contemplados com o aumento do valor da cesta básica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
38630522760_1f20a973bc_c
Procon registra aumento de cerca de 11% no preço de itens da cesta básica | Foto: Felipe Barros/ExLibris/Secom-PMI

Pesquisa do Procon de Goiânia, revela que houve um aumento de 11,07% no valor de alimentos que compõem a cesta básica.

Após visitar dez supermercados, foi identificado que o valor integral da cesta passou de, em média, R$ 446,45 em agosto para R$ 495,86 neste mês.

A pesquisa foi realizada entre os dias 30 de setembro a 7 de outubro. De acordo com o Procon, os itens que mais contribuíram para o aumento foram a banana, a carne e o tomate. A pesquisa aponta que banana prata teve um reajuste de 54,1%. Em média, o quilo custava R$ 2,87 em agosto. Neste mês, o produto é vendido a R$ 4,42. Em seguida aparece o tomate, com uma variação de 38,64% no preço médio, pois o quilo passou R$ 3,24 para R$ 4,49. A carne é o terceiro item da cesta básica que com maior aumento, visto que o quilo do colchão mole subiu de R$ 28,94 para R$ 40,05.

Conforme o órgão, a pesquisa é baseada na coleta de preços de 29 produtos necessários para as refeições de uma família composta por quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças.

O atual desgoverno adora publicizar o quanto que a inflação está baixa, mas podemos verificar através deste aumento desenfreado dos itens básicos de alimentação, que os dados indicam o fortalecimento das tendências inflacionárias da economia e, essa tal inflação baixa é mantida de forma artificial, pois é por meio, apenas, desse indicador que os trabalhadores tem o seu dissídio, enquanto os demais serviços e produtos que são adquiridos pelo salário do trabalhador, aumenta seu valor de forma absurdamente desproporcional.

Vivenciamos um arrocho salarial histórico e a classe trabalhadora comprometendo praticamente a metade de sua renda, apenas para consumir alimentos básicos, ou seja, está vivendo apenas para trabalhar e continuar dando algum lucro para os senhores de engenho, enquanto ainda lhes restam forças, retroagindo a sociedade aos tempos de escravidão, sem sombra de dúvidas.

A verdade é que a situação econômica tende a piorar muito e isso levará a piora significativa das condições de vida do povo.

O governo de Bolsonaro, não consegue encaminhar minimamente soluções para a crise econômica brasileira, que, como não poderia deixar de ser, tem raízes na crise econômica internacional. O encarecimento do custo de vida da população, sobretudo da população pobre, é a gasolina para uma crise social de proporções ainda maiores do que a atual. A polarização social tende a aumentar e as possibilidades de estabilização do regime ficam ainda mais difíceis de alcançar.

A única alternativa que resta a essa classe trabalhadora que tem sido covardemente explorada, é o seu levante contra essa burguesia parasita, para derrubá-la e, derrubar também todos os seus capachos, como o fascista que ocupa hoje à presidência da República, Bolsonaro.

É preciso mobilizar o povo pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas e, para lutar por uma a escala móvel de salários, como medida para enfrentar a inflação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas