Em dois meses de governo, Bolsonaro tem pior resultado desde o fim da Ditadura Militar

BRAZIL-ELECTION-CANDIDATES-DEBATE

Os “efeitos colaterais” da fraude eleitoral, realizada pela burguesia golpista e que levou a camarilha reacionária e fascista de Jair Bolsonaro ao poder, começam a apresentar-se. Não só o remédio (as eleições fraudadas) da burguesia golpista, para estabilizar o regime político destruído pelo golpe e promover assim o gigantesco ataque aos trabalhadores de maneira ordenada e segura, não surtiu efeito desejado, como os efeitos desta manobra tendem, não a estabilização, mas ao acirramento da crise social e política.

Na primeira pesquisa de avaliação do governo imposto pelo golpe e pela fraude revelou-se a impopularidade ímpar  da camarilha golpista. A pesquisa MDA/CNT revelou que o governo possui apenas 38,9% de aprovação, isso a apenas dois meses de empossado. É a pior avaliação de um presidente em início de governo desde o fim da ditadura militar e a Constituição de 1988. Tem de se salientar, contudo, o fato de ser uma pesquisa encomendada pela própria burguesia golpista, o que nos leva a crer que o quadro real seja muito mais dramático para o governo do que aparece na pesquisa, servindo assim como alerta ao mesmo, diante de suas loucuras de tipo fascista.

Segundo a pesquisa, publicada em 26 de fevereiro, 19% consideram o governo “ruim ou péssimo”, 13% não opinaram e 29% avaliaram como “regular”. A pesquisa tratou da também popularidade do presidente individualmente, segundo a mesma 57% aprovam sua conduta, 28% desaprova e 14% não souberam responder. A contradição é evidente, segunda a pesquisa uma parcela significativa da população aprova a conduta do fascista Bolsonaro, mas não o seu governo. É evidente que a burguesia procurou ajeitar o resultado da pesquisa as suas necessidades, alertar o governo para o período que ronda da o país, ou seja, a explosão social contra o plano neoliberal e os ataques fascistas do governo.

Seja como for, fica evidente, e o carnaval o demonstrou na prática, que, tanto Bolsonaro, quanto o governo e sua política subserviente e neoliberal são rechaçado pela população. A base social Bolsonarista, retornou ao seu tamanho natural, depois de inflada pelo conjunto da burguesia, o que não permite a estabilização do regime político sem-ditatorial que os golpista instalaram.

O governo é sustentado apenas pela burguesia golpista, pelo imperialismo e por uma pequena base Bolsonarista contra a esmagadora maioria do povo brasileiro. É preciso levantar as massas do povo brasileiro contra este governo de tipo colonial, cuja função é entregar a riqueza nacional aos capitalistas estrangeiros e eliminar os direitos do povo para beneficiar os capitalistas nacionais. Fora Bolsonaro e todos os golpistas,.