Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
A histórica imagem mostra os 13 presos políticos trocados pelo embaixador Elbrick - os últimos dois subiriam a bordo do Hércules C-56 no meio da viagem - na base aérea do Galeão, Rio de Janeiro, antes de partirem para o exílio no México.
|

No dia 4 de setembro de 1970 o embaixador norte-americano, Charles Elbrik, foi sequestrado por grupos de militantes guerrilheiros contra a ditadura militar no Brasil. A ação, organizada por guerrilheiros do Movimento Revolucionário 8 de outubro, o MR8, e da Ação Libertadora Nacional, a ALN, tinha como objetivo servir como um instrumento de troca do embaixador por presos políticos do regime militar.

Um dos principais articuladores da ação fora o jornalista Franklin Martins, então membro do MR8. Às 14:30 do dia 4 de setembro, no bairro de Humaitá no Rio de Janeiro, um Volksvagen pilotado pelos guerrilheiros emparelha com o Cadillac, no qual se encontrava o embaixador dos EUA. A ação levou apenas vinte minutos e o embaixador foi levado para uma casa no bairro do Rio Comprido. Uma carta de exigências foi deixada com  motorista do Cadillac, nela os militantes exigiam a libertação de 15 presos políticos da ditadura.

Com medo de que o embaixador fosse morto, a Junta Militar que comandava o país, acatou a exigência do grupo e libertou quinze presos políticos no dia 6 de setembro: Luís Travassos, José Dirceu e Vladimir Palmeira, líderes estudantis; José Ibrahim, líder sindical operário; Flávio Tavares, jornalista; Gregório Bezerra, dirigente do PCB em Pernambuco e um dos primeiros presos após o golpe militar; Onofre Pinto, dirigente da VPR e ex-militar; Ricardo Villas Boas, músico e integrante da Dissidência/MR-8; Ricardo Zaratini, engenheiro ligado a movimentos sindicais do Nordeste; Rolando Fratti, do PCB; Agonalto Pacheco, da ALN; Mário Zanconato, do COLINA; Ivens Marchetti, do MR-8; Leonardo Rocha, da ALN e a única mulher do grupo, Maria Augusta Carneiro, do MR-8 e da Dissidência. Todos os quinze foram mandados para o exílio no México.

O embaixador foi solto diante a libertação do grupo. O sequestro do embaixador Elbrick foi um dos marcos da luta armada contra o regime militar.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas