Lucros dos bancos
Enquanto a classe parasitária de banqueiros e especuladores lucra como nunca, os brasileiros estão cada dia mais endividados. Assim é o capitalismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São Paulo - O ministro da Economia, Paulo Guedes, realiza palestra na 20° Conferência Anual Santander, no Teatro Santander.
Paulo Guedes em Conferência do Santander: Rovena Rosa/ Agência Brasil |

A política neoliberal aplicada no Brasil pelo golpista Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, o “chicago boy” Paulo Guedes, tem rendido bons frutos para os banqueiros. Nesse setor, quem mais têm lucrado é o Santander. O banco de origem espanhola divulgou, nesta quarta-feira (29), que em 2019 obteve lucro de R$ 14,5 bilhões, um aumento de 17% em relação a 2018.

O lucro foi alimentado através de operações de crédito, cobrança de tarifas, serviços e fundos de investimento. Os dados revelam o aumento de 8,4% da margem financeira, que é a receita com crédito, e dos ganhos com tarifas bancárias no período.

A concessão de crédito a pessoas físicas via crédito imobiliário e cartão de crédito subiu 17%. Empréstimos a micro, pequenas e médias empresas representaram crescimento de 15,4% em 2019 para R$ 41,2 bilhões. Já às grandes companhias, os empréstimos cresceram a 12%, a R$ 97 bilhões. Todos os números levaram o Santander a alcançar 10% da participação do mercado de crédito em novembro, o maior patamar em dez anos.

Da parte do governo, Bolsonaro vem trabalhando para que o lucro dos bancos aumente ainda mais, o que justifica o otimismo dos banqueiros. Com o objetivo claro de destruir os bancos públicos, Bolsonaro abre caminho para a consolidação do monopólio de bancos privados no Brasil.

À categoria dos bancários, resta a luta. Esses trabalhadores têm sofrido duros ataques com o sucateamento dos bancos públicos. Os funcionários dos bancos privados vêm penando com as mudanças nas leis trabalhistas e todo tipo de abuso como já noticiamos neste Diário.

Para o Santander está tudo ótimo. Em 2019, o banco abriu 45 novas agências. Já o Banco do Brasil, por exemplo fechou 463 agências e diminuiu o número de funcionários em 3360, de setembro de 2018 a setembro de 2019. A Caixa Econômica fechou 46 agências e baixou o número de empregados em 1341, no mesmo período.

Enquanto a classe parasitária de banqueiros e especuladores lucra como nunca, os brasileiros estão cada dia mais endividados: quase 66% da população. Trata-se do maior patamar da série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) desde janeiro de 2010.

Esse é o capitalismo, ainda mais sob o golpe de Estado. Enquanto o povo fica mais pobre e os trabalhadores dos bancos são ainda mais duramente explorados, os banqueiros aumentam seus lucros sem qualquer esforço, apenas vivendo de especulação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas