Elogiado por Bolsonaro, saiba quem foi Alfredo Stroessner, ditador, nazista e pedófilo-estuprador em série

BRAZIL PARAGUAY STROESSNER

No último dia 26, o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro viajou para a fronteira com o Paraguai para anunciar os novos dirigentes da hidroelétrica de Itaipu, que é administrada pelos governos brasileiro e paraguaio. Em seu discurso, Bolsonaro elogiou o ditador paraguaio Alfredo Stroessner, que esteve à frente do Estado paraguaio entre 1954 e 1989.

Stroessner, assim como os demais ditadores da América Latina, chegou ao poder para permitir que os capitalistas esfolassem completamente a população paraguaia. Utilizando todos os métodos possíveis, Stroessner ergueu um regime político repleto de ataques aos trabalhadores e de aspectos típicos da decadência capitalista.

Publicamente conhecido como pedófilo, Stroessner tinha o estupro de meninas virgens como esporte. O ditador exigia que seus assessores fornecessem constantemente garotas virgens para seu uso pessoal.

Foi também graças à ditadura de Stroessner que o Paraguai se tornou uma das maiores redes de contrabando do mundo. As Forças Armadas paraguaia atuavam diretamente no tráfico de drogas.

Além de estuprador, pedófilo e narcotraficante, o ídolo de Bolsonaro era também um torturador. A ditadura paraguaia matou mais de 5 mil pessoas e torturou mais de 18 mil civis. Há relatos de que, quando Stroessner não estava presente durante as torturas, ele pedia que os torturadores transmitissem, por telefone, os gritos das vítimas.

Bolsonaro não é apenas um político tradicional que faz discursos espalhafatosos para chamar a atenção. Além de ter elogiado Carlos Brilhante Ustra e estimular chacinas policiais, ele tem como herói aquele que foi um dos mais sanguinários e sádicos ditadores da História.

A extrema-direita é desumana, como já demonstraram esses ditadores do século passado na América Latina, todos eles apoiados pelo imperialismo. Se Bolsonaro tiver a oportunidade, ele irá transformar seu governo em uma monstruosidade tal qual a ditadura de Stroessner.

Para impedir que o governo Bolsonaro evolua no sentido de uma ditadura fascista, é preciso enfrentar o golpe e a direita. É necessário criar comitês de autodefesa para reagir às investidas da extrema-direita e organizar um amplo movimento pela derrubada do governo Bolsonaro.