A desculpa do “mal menor”
Ao apoiar o candidato da direita golpista, esquerda integrante da frente ampla, encaminha-se para se tornar um apêndice da direita também em 2022
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
20/11/2020 São Paulo/SP O Governador João Doria recebe o Presidente da Camara dos Deputados Rodrigo Maia na Reunião de Secretariado Foto: Sergio Andrade
Maia (DEM) e Doria (PSDB), enquanto esquerda apoia o bloco golpista, direita prepara 2022 | Sergio Andrade

Recentemente a esquerda parlamentar manifestou apoio ao candidato de Rodrigo Maia (do bloco DEM, PSDB, MDB, PSL e afins) para as eleições da Câmara Federal dos Deputados. A iniciativa é parte da política da frente ampla – aliança de setores da esquerda com a direita golpista – sob o pretexto de combater Bolsonaro, a mesma utilizada nas eleições municipais deste ano, o que sinaliza as articulações que ocorrerão como preparação para as eleições de 2022.

As eleições para a presidência da Câmara, 2º cargo na linha de sucessão presidencial, tem neste momento o candidato de Bolsonaro (Artur Lira-PP), contra o candidato de Rodrigo Maia (DEM, PSDB, DEM, PSL), que ainda não foi definido, apesar de ter os deputados Baleia Rossi (MDB) e Aguinaldo Ribeiro (PP) como favoritos. A esquerda parlamentar, mergulhada na frente ampla, fechou questão para apoiar o candidato da direita golpista como sendo um “mal menor” para evitar o “mal maior”, que seria o candidato de Bolsonaro.

Esta mesma orientação política foi largamente utilizada durante as eleições municipais de 2020, como uma pressão esmagadora para que a esquerda de conjunto, sobretudo o Partido dos Trabalhadores (PT), apoiasse a direita tradicional contra os candidatos de Bolsonaro. Considerando que os partidos da direita golpista, como DEM, PSD, PP, Podemos foram os partidos que mais cresceram e MDB e PSDB continuam sendo os que respectivamente mais têm prefeituras e controlam cidades com mais eleitores, a política da frente ampla serviu para acobertar a fraude eleitoral de 2020.

Isso indica que a esquerda está caminhando perigosamente para ficar a reboque da direita também em 2022. O que ocorre porque ela não procura ser independente em relação à burguesia. Ao invés de basear sua política em mobilizar os trabalhadores, a esquerda procura sempre acordos com os setores da burguesia que considera “menos piores”.

No entanto, essa posição da esquerda é totalmente falsa. Isto porque a direita golpista – do PSDB, do DEM, do MDB e afins – foi quem deu o golpe de Estado de 2016 e promoveu a fraude eleitoral de 2018, que prendeu e cassou Lula. Logo, o que a esquerda considera “menos pior”, na verdade foi quem pariu Bolsonaro e deu todo o suporte para que o governo se mantivesse. O fato de Rodrigo Maia estar sentado em mais de 50 pedidos de impeachment de Bolsonaro e ter sido “o general da reforma da previdência” fala por si só.

Logo, é preciso considerar também que enquanto a burguesia não aceita o ex-presidente Lula – cassou seus direitos políticos e quer impedir a todo o custo sua candidatura em 2022 – ela impulsiona setores da esquerda que integram a frente ampla, como viu-se na candidatura de Boulos (PSOL) e de Manuela D’ávila (PCdoB). Junto com a propaganda em torno do governador fascista João Doria (PSDB) e as ressalvas a Bolsonaro, as movimentações deste momento, apontam para eleições em que a burguesia vai tentar, novamente, anular o PT e promover um 2º turno entre Bolsonaro e um candidato da direita tradicional golpista, como Doria.

Tornar-se um apêndice da direita golpista faz com que os setores mais combativos dentro da esquerda se levantem contra a política da frente ampla, como se viu na Câmara, em que um setor do PT defendeu lançar candidato próprio contra os candidatos do bloco golpista (Bolsonaro e Maia), o que pode estar começando uma crise interna, principalmente no PT, contra essa política.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas