Análise Política da Semana
Veja como foi a última edição do principal programa da COTV
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rui costa pimenta
Rui Costa Pimenta | Foto: Reprodução/COTV

Ontem, foi ao ar mais uma edição da tradicional Análise Política da Semana, o principal programa da Causa Operária TV. Apresentado pelo presidente nacional do Partido da Causa Operária (PCO), Rui Costa Pimenta, o programa discutiu os temas mais importantes da política nacional e da política internacional. Veja aqui um resumo da discussão:

Eleições na Bolívia

Presidente golpista Jeanine Áñez, que renunciou à sua candidatura por falta de apoio. Foto: Aizar Raldes/AFP

A análise teve início com a discussão sobre a situação na Bolívia. As eleições no país andino já foram adiadas duas vezes e, mesmo assim, a direita continua com muita dificuldade de inviabilizar uma vitória eleitoral do Movimento ao Socialismo (MAS). Neste momento, o partido de Evo Morales, deposto por um golpe militar no fim de 2019, tem cerca de 40% das intenções de voto, contra 26% do direitista Carlos Mesa.

Fica claro, portanto, que a política neoliberal, que já vem sendo implementada há três décadas, tem encontrado cada vez mais dificuldade de eleger seus representantes. As Cortes constitucionais, as Forças Armadas, o Congresso e todas as instituições, em praticamente todos os países, trabalham exclusivamente para os interesses do imperialismo e estão dispostos a lançar mão de qualquer mecanismo antidemocrático para manter a direita no poder.

Na Bolívia, há, neste momento, duas possibilidades. Uma é que o MAS ganhe as eleições, oque obrigaria o imperialismo a um novo golpe. Outra é que a direita fraude novamente as eleições, o que intensificaria a crise. A retirada da candidatura de Jeanine Áñez é um indicativo de que a direita irá tentar concentrar todo o eleitorado da direita e da extrema-direita em Carlos Mesa. Isso obrigaria, no fim das contas, a manter uma coligação entre a direita e a extrema-direita, como já acontece no Uruguai.

O governo Bolsonaro

Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O caso do Brasil é, na forma, um pouco diferente. Como a crise política é mais intensa e a falência do regime se encontra em um estágio bastante avançado, é a extrema-direita que aparece como ponta na coalizão entre a direita e a extrema-direita. Mesmo assim, a burguesia continua, por meio de vários expedientes, controlando o governo Bolsonaro. Nesse sentido, acreditar que a direita tradicional está disposta a derrubar Bolsonaro é uma ilusão.

A direita não tem qualquer outro candidato que possa vencer a esquerda nas eleições a não ser Bolsonaro, assim como nas eleições de 2018. Portanto, a derrubada do governo passa pelos próprios esforços da esquerda, e não por meio de uma frente com a burguesia.

O caso Lula

Ex-presidente Lula. Foto: Ricardo Stuckert

Uma pesquisa recente apontou que o ex-presidente Lula seria o único candidato a vencer Bolsonaro em 2022. Obviamente, trata-se de uma pesquisa encomendada pela burguesia, cujo resultado deve ser subestimado. Mesmo assim, já fica claro que a proposta do PCO em fazer campanha em torno da candidatura de Lula é sólida e está ancorada na realidade.

PCO nas eleições

30ª Conferência Nacional do PCO. Foto: Diário Causa Operária

Na última semana, terminou o prazo para as convenções municipais. O PCO deverá apresentar cerca de 75 candidaturas nas eleições de 2020, o que significará quase o triplo de candidaturas no ano de 2016. O salto demonstra o aumento da influência do partido, uma vez que esse crescimento não é eleitoral, mas sim o crescimento do prestígio do partido adquirido em meio à luta contra o golpe.

A esquerda e a repressão

Íbis Pereira. Foto: Reprodução

Diante da tendência da esquerda pequeno-burguesa em se adaptar ao regime político, ao invés de combater a direita golpista, algumas candidaturas de agentes da repressão estão sendo apresentadas neste ano. É o caso da candidata a prefeita do PT em Salvador, uma major da Polícia Militar, e do candidato a vice-prefeito no Rio de Janeiro do PSOL, um coronel reformado da PM.

Esse é um reflexo da confusão que a política de capitulação da esquerda diante do fascismo causa. Ao tentar se adaptar ao regime, a esquerda pequeno-burguesa acaba fazendo propaganda da repressão e, portanto da política bolsonarista.

Uma acusação cômica

Juliano Medeiros. Foto: Divulgação/PSOL50

Ao ser criticado por reunir-se com Ciro Gomes, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, decidiu usar as redes sociais para atacar o PCO. Segundo Medeiros, o PCO seria a quinta coluna do governo Bolsonaro.

Além de utilizar o mesmo expediente que o stalinismo utilizou para assassinar milhares de militantes — o termo “quinta-coluna” tornou-se um pretexto para a contrarrevolução na Espanha —, a declaração chega a ser cômica. Afinal, o PCO está na campanha pelo Fora Bolsonaro há quase dois anos, enquanto o PSOL só embarcou na campanha há alguns meses. E por embarcou, entendamos utilizar a palavra de ordem no fim de um discurso, e não organizar atos pelo Fora Bolsonaro toda semana, como tem feito o PCO.

Stalinismo sem gulag

Jones Manoel. Foto: Reprodução

A declaração de Juliano Medeiros se soma a dezenas de outras declarações de figuras da esquerda pequeno-burguesa que resolveram atacar o PCO e o trotskismo. Essas figuras se comportam como uma espécie de “stalinistas sem gulag”, isto é, indivíduos que fazem uma propaganda baseada na ameaça e na truculência, mesmo sem terem poderes reais para essa repressão. Esse tipo de comportamento, de tentar intimidar os adversários políticos pela força, é semelhante ao bolsonarismo e deve ser combatido pela esquerda.

Para assistir, na íntegra, a Análise Política da Semana, clique aqui.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas