Manobra imperialista
As eleições nos Estados Unidos estão marcadas por uma série de violação dos direitos democráticos da população, que visam impedir que o povo expresse sua vontade nas urnas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nova iorque
A cidade de Nova Iorque tem longas filas para votar. | Foto: Reprodução

O processo eleitoral dos Estados Unidos está marcado por uma série de violações aos direitos democráticos da população. A votação antecipada está ocorrendo em muitos Estados, porém manobras burocráticas têm acontecido para dificultar ou até mesmo inviabilizar o direito de voto.

As referidas manobras são a supressão dos nomes dos eleitores das listas de votação, filas de espera de até 10 horas para votar, cédulas vazias sem o nome dos candidatos, proibição de votar nas prisões, centros de votação distantes, leis intimidatórias em relação aos eleitores. Está em curso uma feroz batalha para estabelecer quem deve ter o direito de voto e quais parcelas da população devem ter esse direito cassado.

Uma organização de afroamericanos enviou uma carta ao secretário-geral da ONU onde denuncia que existe uma intimidação racial contra a população negra. Foi solicitado que observadores internacionais fossem enviados aos Estados Unidos para fiscalizar as eleições.

As eleições americanas comprovam que a burguesia tenta, de variadas maneiras, impedir que a população exerça seus direitos políticos, isso no país tido como o modelo de democracia para o mundo. No coração do imperialismo mundial, este tenta obstaculizar qualquer tipo de contestação ao seu domínio, mesmo que isso signifique fraudar as normas e cassar direitos previstos na Constituição americana.

O sistema capitalista se encontra em uma profunda crise. A polarização política atinge em cheio os Estados Unidos, que está à beira de uma guerra civil. A burguesia tenta manobrar para manter a fachada democrática do regime, o que é cada vez mais inviável, devido ao aprofundamento da crise.

O que está ocorrendo nos Estados Unidos demonstra uma tendência mundial. A burguesia em crise vai fraudar, manipular, manobrar e violar as próprias regras de seu regime político para impedir qualquer contestação da população. O voto tem um valor limitado, mas pode servir como um instrumento para demonstração de descontentamento popular com o regime. E a burguesia não pode permitir que estas tendências se expressem claramente no país mais poderoso e desenvolvido do mundo, responsável por todo um sistema de opressão mundial.

O candidato democrata, Joe Biden, é o candidato do imperialismo. Percebe-se uma campanha na grande mídia capitalista em favor deste candidato, colocado como um “voto útil”, isto é, uma maneira de impedir a reeleição de Donald Trump. Neste momento, o Partido Democrata é o partido principal dos grandes monopólios capitalistas, instituições financeiras e do complexo industrial-militar.

É importante destacar que o caráter antidemocrático do sistema político dos EUA se aprofunda neste momento de crise e polarização política. As eleições são indiretas, os diferentes Estados têm pesos distintos,  o sistema eleitoral conduz ao bipartidarismo forçado (Partido Republicano vs. Partido Democrata) e a representação política é monopolizada pelos grandes capitalistas e, principalmente, pelo capital financeiro. Está em curso uma complexa operação para distorcer a representação política em prol dos interesses da burguesia imperialista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas