Turquia: Erdogan foi vitorioso contra campanha do imperialismo

Turkey Erdogan

No último domingo, o atual líder da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ganhou as eleições presidenciais do país, que teve uma participação recorde de 87% de comparecimento às urnas.

Foi a primeira eleição com aspectos de presidencialismo, aprovado pelo povo turco em referendo chamado por Erdogan após a tentativa de golpe imperialista no país, em 2016 – substituindo assim o antigo regime parlamentarista (apoiado pelo imperialismo). Dando mais poderes para Erdogan governar sem a pressão do congresso.

Erdogan ganhou com quase 53% dos votos válidos, o segundo colocado obteve apenas 30,6%. Vale lembrar que após a tentativa fracassada do imperialismo para instaurar um golpe militar no país, o presidente Erdogan, denunciou e mobilizou o povo contra o golpe, foi pressionado para uma política mais radical e esquerdista, expurgando os setores golpistas das Forças Armadas, do judiciário e até da Educação, que eram ligadas ao capacho imperialista, Fethullah Gülen. Uma situação parecida com a do Chavismo, que antes de tentativa de golpe militar em 2002, era extremamente moderado, mas após a derrota da direita, assumiu uma papel de maior enfrentamento como os EUA, à frente de uma série de países latino-americanos na resistência contra o imperialismo.

A venal imprensa burguesa, “nacional” e internacional, expressa também sua fúria  com o fato do partido de Erdogan, AK, e seus aliados no congresso tenham conquistado mais de 50% do congresso nas eleições legislativas.

A vitória de Erdogan na Turquia, um país chave tanto para Europa quanto para Ásia, expressa a intensificação da crise mundial do imperialismo. Não por acaso, a imprensa imperialista intensificou campanha contra o dirigente turco anunciando-o como “ditador sanguinário”, para encobrir a política de pilhagem e destruição que a ditadura imperialista – liderada pelos EUA – busca impor a todo planeta.