Eleição dos tribunais: até Doria perdeu os direitos políticos, embora decisão não deva ser mantida

cidade

A juíza Carolina Martins Cardoso da 11ª Vara da Fazenda Pública condenou nesta sexta-feira, 24, o ex-prefeito da capital de São Paulo, atual candidato ao governo do mesmo estado pelo PSDB, o playboy João Doria e suspendeu seus direitos políticos por quatro anos.

A decisão foi publicada no site do Tribunal de Justiça de São Paulo, porém, cabe recurso do tucano, e, como foi uma decisão de 1ª instância, Doria poderá seguir fazendo campanha e concorrer ao cargo de governador.

A condenação veio de uma denúncia do promotor Wilson Tafner por improbidade administrativa, pois o playboy teria usado o símbolo “SP Cidade Linda” em suas ações de destruição da capital paulista quase que substituindo o logo oficial da cidade. Uma questão de marketing empresarial, é claro.

Na condenação, a juíza reconhece o argumento utilizado pelo Ministério Público: “ainda que não se tenha informações a respeito da exata importância gasta com a publicidade coibida através da presente ação, há prova cabal de que houve dispêndio do erário público, e cabível a sua apuração em futura liquidação de sentença”.

Contudo, por mais que os trabalhadores tenham motivos de sobra para odiar o fascista que jogou água em moradores de rua na manhã mais fria da cidade às 5 horas da manhã, temos que alertar aqui para o fato de que esse tipo de perseguição segue a linha que o PCO vem denunciando. Essa perseguição, que começa na direita, sempre acha motivos futuros, principalmente dentro da atual ditadura do judiciário, para caçar a esquerda com qualquer tipo de argumentação absurda. Por isso deve ser denunciado o caráter golpista que avança contra os trabalhadores.