Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2019-06-14 at 17.55.21
|

Enquanto a cúpula da maioria da esquerda pequeno-burguesa alimenta seu rasteiro cretinismo parlamentar e eleitoreiro, enquanto organizam manifestações a conta gotas como se a destruição do País feita pelo governo Bolsonaro não fosse a cada minuto, o povo na rua continua dando demonstrações explícitas de qual é a sua vontade.

A onda de manifestações espontâneas contra Bolsonaro tomam conta do País. Basta que se agrupe ali um pequeno grupo pessoas para que logo surja entre todos: “Ei Bolsonaro, vai tomar no c*”. Se fosse uma canção pop, dessas que tocam em rádio FM, seria com certeza o hit do momento, estaria nas paradas de sucesso, sem precisar de jabá para o dono da emissora.

No carnaval, o grito se popularizou de vez. Tomou as ruas de todo o País. Mas alguém poderia dizer – e a direita tentou explicar assim – que se tratava apenas de música carnavalesca, que é normal os foliões escolherem o presidente para fazerem troça. Não foi assim. A canção mostrou que não era só de fevereiro.

Desde então, passaram-se manifestações de massa em maio, junho e a música continuou na boca do povo. Apareceu, à essa altura, em centenas de shows e festivais espalhados pelo País até que foi parar nos jogos finais da Copa América. Contrariando o senso comum, que diria que a classe média presente no estádio, devido ao alto preço dos ingressos, seria bolsonarista, a vaia caiu sobre o “mito”, primeiro no Mineirão e depois com mais peso ainda no Maracanã.

As mais recentes manifestações aconteceram esse final de semana. Um show do cantor e compositor Lenine na Paraíba, outro show da cantora Gal Costa, uma multidão no festival Fortal em Fortaleza e a mais impressionante de todas, uma vaia gigantesca em pleno estádio do Palmeiras. Novamente, a diretoria do clube convidou o presidente para uma visitinha no jogo contra o Vasco. O estádio veio abaixo e de tão más energias que trouxe para a Arena do Palmeiras que o time, que vem fazendo a melhor campanha no Brasileirão, sofreu para empatar em casa com o Vasco, que luta para não ser rebaixado.

O que nos faz dizer que Bolsonaro, além de fascista, golpista etc também é um baita de um pé frio.

E após as vaias e xingamentos, a torcida entoou o hit, “Ei, Bolsonaro, vai tomar no c*”.

Mas e a esquerda pequeno-burguesa? Apesar de tudo isso, não quer o fora Bolsonaro. Parece surda, insensível ao clamor do povo. Ou é isso, ou é uma esquerda que abandonou de vez o povo, vive de se alimentar de cargos e da esperança de que o bom comportamento diante da direita golpista irá garantir para ela a continuidade desses cargos na próxima eleição.

Enquanto isso, o povo que se dane. Se dana porque Bolsonaro está aí para isso mesmo, para lascar o povo até o último fio de cabelo.

O “Ei, Bolsonaro, vai tomar no c*” se transformou na tradução popular e espontânea do fora Bolsonaro. O desejo é um só: derrubar o governo golpista. Desejo que fica expresso também na enorme popularidade dos adesivos “fora Bolsonaro” distribuídos pelo PCO nos atos e atividades de rua como os mutirões pelo País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas