Paraná
Professores do ensino público estadual ocupam ALEP pela derrubada do Edital 47, pagamento de progressões e desmilitarização das escolas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou o subsidio para o transporte público. presente: prefeio de Curitiba, Rafael Greca de Macedo.
Curitiba, 22-02-19.
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.
Os fascistas Rafael Greca (prefeito de Curitiba) e Ratinho Jr. (governador do PR) | Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Os educadores do estado do Paraná continuam sua mobilização contra o governo fascista de Ratinho Jr. Na tarda da quarta-feira (18), educadores e educadoras iniciaram a ocupação da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). Entre as reivindicações da categoria estão a revogação do Edital 47 (que estabelece processo seletivo para funcionários temporários), o pagamento de progressões – já pagas a outras categorias do serviço público paranaense – e a revogação da militarização das escolas do Paraná.

Os professores já estavam mobilizados deste o dia anterior, terça-feira (17), onde já estavam acampados no Centro Cívico, local onde ficam o Palácio Iguaçu (sede do governo Paranaense) e a ALEP. Nesta mesma terça-feira, foi realizada marcha pelas ruas da capital paranaense.

O Edital 47 é mais uma das maneiras do fascista Ratinho Jr. destruir a educação do estado do Paraná. Não só é uma medida sem noção da realidade, pois estabelece uma prova presencial em meio a pandemia. Estima-se que mais de 90 mil pessoas concorrerão ao concurso, um número gigantesco e que servirá para disseminar a pandemia mais ainda.

Este processo seletivo é demagógico e genocida, pois ignora a possibilidade de estender o contrato de profissionais temporários da educação que já estão na ativa e que logo ficarão sem emprego. Isto deixa claro que a política de Ratinho Jr. é bolsonarista por excelência, visto o seu total descaso com os profissionais da educação e a população em geral.

Além de fascista, Ratinho Jr. também falta completamente com seus compromissos. No desfecho da greve de 2019, foi firmado acordo com o governador paranaense para realização de concurso público para suprir a falta de profissionais na educação.

Sobre o não pagamento de progressões, que já foram implementadas em outras categorias do serviço público do estado do Paraná, Ratinho Jr. mostra que é inimigo da educação. Além da falta de profissionais, os educadores – não apenas no Paraná, mas em todo Brasil – são uma das categorias mais mal remuneradas no serviço público.

Há também a luta contra a militarização das escolas estaduais, especialmente os colégios noturnos, que atendem a parcela mais carente da classe trabalhadora. Esta prática é não apenas um ataque aos educadores, mas a toda classe trabalhadora, pois é mais do que sabido que as escolas militares são ambiente de assédio moral (a professores e alunos) e outras práticas criminosas comuns à instituição fascista chamada Polícia Militar. Em Londrina, recentemente, um aluno foi agredido por policiais em uma escola militarizada. Um crime da maior grandeza!

Entretanto, o APP-Sindicato, organizador da ocupação e vinculado a Central Única dos Trabalhadores (CUT), erra ao pedir a saída do secretário de educação Renato Feder. Isto não basta! O sindicato e a CUT devem se mobilizar pelo Fora Ratinho Jr. e não pela derrubada de secretários, que logo serão substituídos por elementos ainda mais fascistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas