Apoio ao fascismo
Eduardo Bolsonaro sai em defesa do atirador fascista norte-americano que assassinou duas pessoas em uma manifestação de esquerda na última quarta-feira (26)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
edubolsonaro-eua
Eduardo Bolsonaro | Foto: Reprodução

Na última quarta-feira (26), na cidade de Kenosha, estado de Wisconsin, nos Estados Unidos, um rapaz de 17 anos atirou contra manifestantes que protestavam contra a violência policial norte-americana no caso Jacob Blake – um jovem negro que foi baleado por policiais em abordagem. Os tiros foram feitos com fuzil e atingiu duas pessoas, uma na cabeça e outra no peito, que morreram na hora. Outra pessoa ficou ferida.

O caso gerou grande repercussão não só pela violência da ação, mas também pela pouca idade do atirador. No entanto, é preciso ter claro que se trata de uma clara ação fascista, nada mais, nada menos. O jovem, chamado Kyle Rittenhouse, faz parte de um movimento de milícia fascista chamado Boogaloo boys e também foi visto em vídeos recebendo agradecimentos e atuando junto a policiais durante a manifestação de Kenosha.

Um sinal claro do sentido da ação fascista foi o fato de que, em suas redes sociais, Eduardo Bolsonaro saiu em defesa do atirador. Segundo ele, o jovem estaria “se defendendo do movimento Black Lives Matter”, o que já demonstra o caráter fascista da própria defesa realizada pelo filho do presidente ilegítimo.

Além disso, Bolsonaro também publicou um vídeo em que o atirador afirma que está ali apenas defendendo um comércio dos manifestantes com seu rifle e procurando ajudar as pessoas com um kit médico.

Apesar de ser óbvio, é importante dizer que atirar contra manifestantes não tem nada de legítima defesa ou de “defesa de propriedade”, como alega o próprio Rittenhouse para justificar os assassinatos que cometeu. De fato, é a tentativa de intimidar quaisquer pessoas que queiram sair às ruas contra a ação assassina da polícia ou da extrema-direita de um modo geral, em um momento de intensas mobilizações e crises sociais nos Estados Unidos e no mundo.

No entanto, o mais importante é compreender que o apoio de Eduardo Bolsonaro à ação do atirador fascista norte-americano sinaliza o que a extrema-direita quer fazer no Brasil. Quem defende fascista também é fascista, no caso dos bolsonaros não deveria haver dúvidas disso. Diversas movimentações já demonstraram aqui a intenção de criação de milícias fascistas, que atuariam em conjunto com a PM e poderiam fazer uma parte do serviço sujo que essa milícia fascista “oficial” dos governos não faz.

A esquerda deve combater com firmeza esse tipo de campanha e de ação da extrema-direita. É preciso realizar uma frente única de todos os setores que defendem a luta da classe trabalhadora e lutar contra o fascismo em todos os meios, em defesa de sua própria sobrevivência. O fascismo deve ser combatido com o mesmo nível de energia com que procura intimidar a população e é esse o tratamento que deve ser dado a Eduardo Bolsonaro aos fascistas do governo Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas