Pai do modernismo
No dia 23 de janeiro de 1832 nascia Édouard Manet. Suas pinturas são consideradas obras-primas que marcam o início da arte moderna.
manet (1)
Édouard Manet, The Railway, 1873, National Gallery of Art, Washington, DC, detalhe | Foto: Reprodução
manet (1)
Édouard Manet, The Railway, 1873, National Gallery of Art, Washington, DC, detalhe | Foto: Reprodução

“Eles estão chovendo insultos em mim. Alguém deve estar errado ”, escreveu o artista em uma carta a seu amigo, quando sua pintura O Bar, no Folies-Bergère, estreou com críticas no Salon. O pintor veio a falecer um ano depois, no dia 30 de abril de 1883, depois de contrair sífilis. Ele tinha 51 anos quando morreu e está enterrado no Cemitério de Passy em Paris. Infelizmente, levou a maior parte de sua vida se dedicando para que suas próprias pinturas alcançassem sucesso crítico ou financeiro.

Nasceu em uma família de classe alta que imaginava para ele uma vida de serviço militar ou direito, seu pai era funcionário do Ministério da Justiça francês e sua mãe era afilhada do príncipe herdeiro sueco. Para decepção de seu pai, Manet foi reprovado no exame de admissão de treinamento duas vezes quando adolescente e finalmente conseguiu se matricular na escola de arte de Paris. Lá, ele esboçou obras de arte no Louvre, inspirando-se na rejeição de Romanve Courbet ao romantismo e nas cores barrocas de Diego Velázquez.

Após a morte do pai em 1862, Manet casou-se com Suzanne Leenhoff em 1863. Uma professora de piano nascida na Holanda que foi inicialmente contratada para ensinar piano a ele e a seu irmão mais novo. Édouard afirmava que os artistas modernos deveriam procurar expor no Salão de Paris, em vez de abandoná-lo em favor de exposições independentes. No entanto, quando Manet foi excluído da Exposição Internacional de 1867, montou sua própria exposição. Entre 1748 e 1890, o Salão de Paris foi indiscutivelmente o maior evento de arte anual ou bienal do mundo ocidental.

Com muita frequência é creditado à Édouard Manet, uma relação na transição entre dois dos movimentos artísticos mais importantes do século XIX, o realismo e o impressionismo. Embora ele tenha escrito uma vez que não tinha a intenção de derrubar velhos métodos de pintura, ou criar novos, suas inovações radicais na composição e narrativa de cores fizeram exatamente isso.

Seu último trabalho foi “A Bar at the Folies-Bergere”, que foi exibido no Salon em 1882. Antes desse ano, ele recebeu a Légion d’honneur, uma das maiores honrarias da França que recebeu ao longo da vida e rejeitou as sensibilidades conservadoras da Académie des Beaux-Arts, organização responsável pelos salões mais prestigiados de Paris, ao abandonar os assuntos religiosos ou alegóricos em favor de representações da vida burguesa.

A maioria das obras de Manet em meados da década de 1850 retratava temas contemporâneos e situações cotidianas, como touradas e cenas em esplanadas, ganhando a veneração de artistas de vanguarda que mais tarde seriam conhecidos como Impressionistas, em virtude da pureza de sua abordagem, embora o artista nunca tenha se identificado com o movimento deles. Suas principais obras foram: Almoço na relva ou Almoço no Campo, Olímpia, A Sacada, O Tocador de Pífaro e A Execução de Maximiliano.

Relacionadas
Send this to a friend